O isolamento está sendo demolido por picaretas e mentirosos. Por Fernando Brito

Jair Bolsonaro e Nelson Teich em pronunciamento.
Foto: Reprodução

Publicado originalmente no Tijolaço:

Por Fernando Brito

Outro recorde macabro para o Brasil: 407 mortes em 24 horas e novos 3.735 casos de infecção pelo novo coronavírus.

O que nos coloca, no mundo, como o 5° maior número de novos casos e em 6° no número de mortos.

Deveria bastar isso para desmontar este crime de discutir a liberação das poucas medidas de isolamento vigentes.

Parece que não, embora haja muito mais a advertir contra este perigo.

Todos os infectologistas estão, com menor ou maior ênfase – e raramente com a indignação devida – , contra a “flexibilização da quarentena” que os governos, pelo país inteiro, querem liberar.

Ontem, tivemos as cenas incompreensíveis de uma pequena multidão entrando, ansiosa, no paraíso de suas existências: um shopping center.

Hoje, diversos relatos que me são feitos de estações de trem e de metrô com gente se aglomerando. O isolamento rastreado por celulares caiu para menos de 50% ontem, em São Paulo.

A Fiocruz adverte para uma enorme subnotificação dos casos de infecção e na contagem de mortes, pesquisas internacionais mostram uma curva de crescimento no Brasil e profissionais de sete universidades dizem que a curva de mortes de Covid-19 no Brasil está mais rápida que a da Espanha.

Ainda assim, o interventor bolsonariano na Saúde recusou-se a falar a favor do distanciamento social.

Não é ignorância, é crime e deliberado.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!