O julgamento do bolsonarismo. Por Moisés Mendes

Atualizado em 27 de junho de 2023 às 0:33
Tarcísio Vieira de Carvalho falando e olhando para o lado
Tarcísio Vieira de Carvalho – Reprodução

Passou batida, como se fosse um apelo retórico irrelevante, a tese defendida pelo advogado de Bolsonaro no TSE na semana passada.

O que Tarcísio Vieira de Carvalho (foto) disse não foram apenas frases de efeito. O advogado apresentou o lastro da argumentação pela absolvição do seu cliente ao afirmar:

“Não está em julgamento, como quer se fazer crer, o bolsonarismo”.

E esclareceu que o objeto da ação no TSE era apenas a reunião de Bolsonaro com os embaixadores, em julho do ano passado, quando o sujeito pôs em dúvida o sistema eleitoral.

E o advogado arrematou:

“Não se está a arbitrar uma disputa sangrenta, imaginária, entre a civilização e a barbárie”.

O defensor de Bolsonaro deu corda para a suposição de que o julgamento no TSE é parte disso mesmo, do enfrentamento do bolsonarismo como uma expressão da barbárie.

Plenário do TSE durante julgamento do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Foto: Evaristo Sá/AFP

Foi o advogado quem trouxe à pauta, como ninguém havia feito antes e com tanta ênfase, o que os casos eleitorais de Bolsonaro podem significar mais adiante.

Claro que, indo em frente e alargando o raciocínio do advogado, o julgamento no TSE não está para o bolsonarismo como Nuremberg esteve para o nazismo.

Mas começa no exame dos delitos eleitorais o processo, para muito além de questões jurídicas, de defesa da civilização diante do avanço do fenômeno do novo fascismo na versão verde-amarela.

A morte política de Bolsonaro, se confirmada com a sua inelegibilidade, pode não significar, ainda, o fim da barbárie por ele liderada, mas é disso que precisamos falar.

O advogado correu o risco de quem se agarra ao arame farpado. Sua tese de que a reunião foi “franciscana” e apenas tratou do sistema eleitoral seria o razoável e o previsível.

Mas Vieira de Carvalho arriscou-se a levantar a suspeita de que o bolsonarismo, e não aquela reuniãozinha, está em julgamento.

No contexto do que passa a acontecer, seria o bolsonarismo, em todas as suas formas, que se encaminharia para o grande júri aguardado desde antes da eleição do ano passado. É a hora da reparação.

Não há como ver Bolsonaro isoladamente, como se fosse uma figura apartada das crueldades e dos crimes que produziu. Porque os ilícitos eleitorais não irão encerrar a caracterização e o enquadramento dos seus desatinos.

Falta examinar a barbárie pela abordagem criminal. O desfecho do que acontecerá no TSE abrirá a perspectiva de que todo o resto deixa de ser represado pelo sistema de Justiça, como aconteceu durante quatro anos.

Discutir o sistema eleitoral “não deveria ser tabu”, segundo o advogado de Bolsonaro. Convocar embaixadores para tal debate, muito menos.

Nem continuar alardeando, depois da reunião, que a eleição poderia, de novo, ser fraudada.

Tudo, para a defesa, é considerado normal e sem relação nenhuma com um confronto entre civilização e barbárie, ou entre democracia e golpismo.

Mas essa semana, com a condenação de Bolsonaro pelo TSE, o que irá se decidir é muito mais do que a ilegalidade de uma fala numa reunião com embaixadores.

Será a condenação de alguém envolvido na articulação de um golpe. O advogado anteviu o que irá acontecer.

O que o TSE deflagra e deve se estender a todos os desmandos de Bolsonaro e seus cúmplices, entre os quais a matança da pandemia, é mesmo o julgamento dos crimes sangrentos do bolsonarismo.

Publicado originalmente no Blog do Moisés Mendes

Participe de nosso grupo no WhatsApp, clique neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link