O justiceiro finalmente será contido por causa de uma briga pessoal? Por Moisés Mendes

Atualizado em 4 de junho de 2024 às 22:11
O ministro do STF Gilmar Mendes ao lado do senador Sergio Moro. Reprodução

Sergio Moro será processado por ter caluniado Gilmar Mendes. Como hoje está em desvantagem, pode ser condenado. Mas e daí, o que isso significa para os mortais que acompanham a briga aqui da parte debaixo da colina?

Não significa nada, apesar de ter virado manchete dos jornais. Num país em que o sistema de Justiça ainda mantém presas mulheres que furtam pacotes de massa, o que quer dizer a briga do ex-justiceiro de Curitiba com o ministro do Supremo que mais odeia os justiceiros?

Nada. Zero. A briga só tem relevância pelo tamanho da sua insignificância. Significa apenas que eles têm o direito de duelar, em guerra pessoal, com a desenvoltura que os cidadãos comuns não podem ter. Porque se sentem imunes a contenções e represálias. Conhecem a arena da briga.

Moro foi filmado em área aberta, numa festa junina no Paraná, em 14 de abril do ano passado, e disse que iria “comprar um habeas corpus do Gilmar Mendes”. Disse sabendo que era filmado.

A denúncia de calúnia, formulada pela Procuradoria-Geral da República contra o ex-juiz, foi acolhida no Supremo pela relatora do caso, ministra Cármen Lúcia, e pelos ministros Flávio Dino, Cristiano Zanin, Luiz Fux e Alexandre de Moraes.

Nenhuma surpresa. Uma decisão por cinco a zero que não muda nada. Não altera nenhum aspecto da percepção média do brasileiro sobre o Judiciário e o protagonismo de suas celebridades.

No exato momento em que as coisas acontecem, vencem os que estiverem mais fortes e nem sempre os que merecem vencer. Como ocorre em rinha de galo e em briga na Justiça. Tem que ver o momento. O momento de Moro é ruim.

Mas a decisão do STF de abrir o processo não deve mexer nas trocas de acusações de Mendes com os lavajatistas. Indica apenas que, nesse caso e nesse momento, o Supremo está mais forte, depois de ter sido humilhado por Moro durante anos.

O STF que Moro submeteu ao seu comando, na fase da Lava-Jato inatacável, agora manda dizer que ele não pode ofender o ministro que mais vem atacando o lavajatismo.

Mendes já disse que a Lava-Jato “terminou como uma organização criminosa”. Afirmou que Deltan Dallagnol poderia fundar uma igreja “com a chuva de PIX” que recebeu.

Dallagnol respondeu: “Eu prefiro fundar uma igreja do que fundar um clube de proteção aos mais corruptos e criminosos do Brasil”.

Mendes teria dito, num encontro reservado com o ex-juiz Moro – e nunca disse que não disse –, que Sergio Moro e Dallagnol “roubavam galinha juntos”. Moro havia ido ao encontro de Mendes para pedir trégua e um copo d’água e não reagiu à publicação da ofensa em todos os jornais.

O ex-procurador-geral Rodrigo Janot confessou que um dia pensou em matar Gilmar Mendes a tiros. O ministro respondeu que o país havia sido “refém de quem confessa ter impulso homicidas”.

Mendes já processou a atriz Monica Iozzi e o jornalista Rubens Valente. Sentiu-se ofendido pelos dois, pediu indenização por dano moral e venceu. O ex-juiz de Curitiba será o próximo? Ficará inviabilizado como político? O que vai acontecer, se acontecer?

O Brasil produziria mais um deboche, patrocinado pelo Judiciário, se Moro, até agora impune, apesar dos crimes cometidos como juiz, fosse finalmente contido pelo STF por uma ofensa a Gilmar Mendes. E depois de ter sido poupado pelo TSE.

O que sobra aos mortais sem prerrogativas e sem chances de acusar e se defender em territórios privilegiados é ficar admirando o embate de duas figuras que aprenderam a se odiar. E fazem uso dos recursos que só eles têm, na arena da magistratura e dos mandatos, para que o ódio se institucionalize e ganhe glamour.

Sergio Moro e Gilmar Mendes odiavam-se como juízes e continuam a se odiar. Têm armas, armaduras e imunidades especiais. A mulher que furta um pacote de massa só tem fome.

Publicado originalmente no blog do autor

Chegamos ao Blue Sky, clique neste link

Siga nossa nova conta no X, clique neste link

Participe de nosso canal no WhatsApp, clique neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link