O mudo, para que nada mude. Por Fernando Brito

Publicado originalmente no blog Tijolaço

POR FERNANDO BRITO

Bonitão

Na Folha, Rainier Bragon aproxima-se do fato central da suposta candidatura Joaquim Barbosa:”A cinco meses da eleição, país não sabe o que pensa Joaquim Barbosa”

Foi tema deste blog, há 20 dias, quando a mesma Folha fez uma matéria em que falava, com base em dois encontros com economistas e de outros tantos eventos, tentava adivinhar o programa barbosiano como “um aceno ao mercado”.

O “xis da questão”, porém, não é Joaquim Barbosa não falar.

É haver parcela importante da mídia, do “mercado” e da classe média disposta a encará-lo como alternativa presidencial.

É a turma dos que defendem que um presidente da República (e, em consequência, a vontade popular) sirva exatamente para nada, senão manter a ordem que permita que este país seja de apenas um quarto ou pouco mais de sua população.

Que seja, como disse naquele post de há três semanas, o “rei dos chuchus”.

A ainda suposta “alternativa Joaquim” cada vez mais se parece com a “aventura Huck”: tem um bom ponto de partida de “popularidade” e exposição e…nada mais.

E, como ela, o pior é que não se sabe, dentro do quadro de destruição da política promovido pelo Judiciário e pela mídia, se o seu vazio de ideias  vai fazê-lo murchar.

O Brasil, infelizmente, foi levado a um estado de estupidez que torna tudo possível, desde que o possível não seja o natural: buscar a segurança do que vinha dando certo, tem nome e está atualmente encarcerado em Curitiba.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!