O mundo amou, odiou e invejou os EUA. Agora, pela primeira vez, temos pena deles. Por Fintan O’Toole

Publicado no Irish Times

O presidente dos EUA, Donald Trump

Por Fintan O’Toole

Por mais de dois séculos, os Estados Unidos despertaram uma gama muito ampla de sentimentos no resto do mundo: amor e ódio, medo e esperança, inveja e desprezo, temor e raiva. Mas há uma emoção que nunca foi direcionada para os EUA até agora: pena.

Por mais que a situação esteja difícil para a maioria das democracias ricas, é difícil não sentir pena dos americanos. A maioria deles não votou em Donald Trump em 2016. No entanto, estão presos com um narcisista maligno que, em vez de proteger seu povo da Covid-19, ampliou sua letalidade. O país que Trump prometeu fazer “a América ser grande novamente” nunca em sua história pareceu tão lastimável.

O prestígio americano se recuperará desse episódio vergonhoso? Os EUA entraram na crise do coronavírus com imensas vantagens: semanas preciosas de alerta sobre o que estava por vir, a melhor concentração mundial de conhecimento médico e científico, recursos financeiros efetivamente ilimitados, um complexo militar com impressionante capacidade logística e a maioria das principais empresas de tecnologia do mundo. No entanto, conseguiu se tornar o epicentro global da pandemia.

Como o escritor americano George Packer coloca na edição atual do Atlântico, “os Estados Unidos reagiram como o Paquistão ou a Bielorrússia – como um país com infraestrutura de má qualidade e um governo disfuncional cujos líderes são corruptos ou estúpidos demais para impedir o sofrimento em massa”.

Uma coisa é ser impotente diante de um desastre natural, outra é ver um vasto poder sendo desperdiçado em tempo real – voluntariamente, malevolamente, vingativamente. Uma coisa é ver governos fracassarem (como, em um grau ou outro, a maioria dos governos fracassou); outra é observar um governante e seus apoiadores espalharem ativamente um vírus mortal. Trump, seu partido e a Fox News de Rupert Murdoch se tornaram vetores da pandemia.

O espetáculo grotesco do presidente incitando abertamente as pessoas (algumas delas armadas) a sair às ruas para se opor às restrições que salvam vidas é a manifestação de um desejo político de morte. O que deveriam ser briefings diários sobre a crise, demonstrativos da unidade nacional diante de um desafio compartilhado, foram usados ​​por Trump apenas para semear confusão e divisão. Fornecem um programa de terror recorrente no qual todas as neuroses que assombram o subconsciente americano dançam nuas na TV ao vivo.

Se a praga é um teste, seu nexo político dominante garantiu que os EUA fracassassem com um custo terrível na vida humana. No processo, a ideia de os EUA como a nação líder do mundo – uma ideia que moldou o século passado – praticamente se evaporou.

Além do imitador de Trump, Jair Bolsonaro, que agora está olhando para os EUA como o exemplo do que não fazer, quantas pessoas em Düsseldorf ou Dublin desejam que morem em Detroit ou Dallas?

É difícil lembrar agora, mas, mesmo em 2017, quando Trump assumiu o poder, o senso comum nos EUA era que o Partido Republicano e a estrutura mais ampla das instituições políticas dos EUA o impediriam de causar muito dano. Isso sempre foi uma ilusão, mas a pandemia expôs o país das formas mais selvagens.

Rendição abjeta

O que costumava ser chamado de conservadorismo convencional não absorveu Trump – foi ele quem o absorveu. Quase toda a metade da direita americana se rendeu a ele. Ele sacrificou no altar da estupidez arbitrária as idéias mais básicas de responsabilidade, cuidado e até segurança.

Assim, mesmo no final de março, 15 governadores republicanos não haviam ordenado que as pessoas ficassem em casa ou fechassem negócios não essenciais. No Alabama, por exemplo, foi somente em 3 de abril que o governador Kay Ivey emitiu uma ordem de permanência em casa.

Na Flórida, o estado com maior concentração de idosos com condições subjacentes, o governador Ron DeSantis, uma miniatura de Trump, manteve os resorts de praia abertos a estudantes que viajam de todo o EUA para férias de primavera. Mesmo em 1º de abril, quando emitiu restrições, DeSantis isentou serviços religiosos e “atividades recreativas”.

O governador da Geórgia, Brian Kemp, quando finalmente emitiu uma ordem de permanência em casa em 1º de abril, explicou: “Não sabíamos [que o vírus pode ser transmitido por pessoas sem sintomas] até as últimas 24 horas”.

Isso não é mera ignorância – é uma estupidez deliberada e homicida. Como demonstraram as manifestações desta semana nas cidades americanas, há muita milhagem política em negar a realidade da pandemia. É alimentado pela Fox News e sites de extrema-direita e colhe para esses políticos milhões de dólares em doações, principalmente (numa ironia terrível) de pessoas idosas, que são mais vulneráveis ​​ao coronavírus.

Se baseia em uma mistura de teorias da conspiração, ódio à ciência, paranoia sobre o “estado profundo” e providencialismo religioso (Deus protegerá o cidadão de bem) que agora está profundamente infundido na mentalidade da direita americana.

Trump encarnou e decretou essa mentalidade, mas ele não a inventou. A resposta dos EUA à crise do coronavírus foi paralisada por uma contradição que os republicanos inseriram no coração da democracia americana. Por um lado, eles querem controlar todas as alavancas do poder governamental. Por outro lado, criaram uma base popular, baseando-se na noção de que o governo é naturalmente mau e não deve ser confiável.

A contradição foi manifestada em duas das declarações de Trump sobre a pandemia: por um lado, ele tem “autoridade total” e, por outro, não assume “nenhuma responsabilidade”. Preso entre impulsos autoritários e anárquicos, ele é incapaz de coerência.

Terra fértil

Mas não é apenas Donald Trump. A crise mostrou definitivamente que a presidência de Trump não é uma aberração. Cresceu em solo há muito preparado para recebê-lo. Por trás do florescimento monstruoso do desregramento há estrutura, propósito e estratégia.

Existem interesses muito poderosos que exigem “liberdade” para fazer o que bem entendem com o meio ambiente, a sociedade e a economia. Eles infundiram uma grande parte da cultura americana com a crença de que “liberdade” é mais importante que a vida. Minha liberdade de possuir armas de fogo supera seu direito de não levar um tiro na escola. Agora, minha liberdade de ir ao barbeiro supera sua necessidade de evitar infecções.

Geralmente, quando esse tipo de idiotice bizarra se manifesta, existe um pensamento reconfortante de que, se as coisas fossem realmente sérias, tudo iria parar. As pessoas ficariam sóbrias. Em vez disso, grande parte dos EUA se embebedou ainda mais.

E o presidente, seu partido e seus aliados da mídia continuam fornecendo as bebidas. Não houve momento de verdade, nenhum choque de percepção de que as travessuras devam acabar. Ninguém de qualquer instância à direita dos EUA entrou em cena para dizer: se controle, as pessoas estão morrendo aqui.

Esse é um esboço do quão profundo é o problema para os EUA – não é apenas que Trump tenha tratado a crise como uma maneira de alimentar os ódios tribais, mas que esse comportamento se normalizou. Quando o show de horrores é transmitido pela TV todas as noites, e a estrela se vangloria de seu desempenho, não é mais um show de horrores. Para um bloco muito grande e sólido de americanos, é realidade.

E isso vai piorar antes de melhorar. Trump tem pelo menos mais oito meses no poder. Em seu discurso de posse em 2017, ele evocou uma “carnificina americana” e prometeu fazê-la parar. Mas agora que a verdadeira carnificina chegou, ele está se divertindo. Ele está em seu elemento.

À medida que as coisas pioram, ele bombeia mais ódio e falsidade, mais desejo de morte da razão e decência nas águas subterrâneas. Se um novo governo o suceder em 2021, ele terá que limpar o lixo tóxico que deixa para trás. Se ele for reeleito, a toxicidade se tornará a força vital da política americana.

De qualquer forma, levará muito tempo até que o resto do mundo possa imaginar a América sendo grande novamente.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!