“O mundo está no momento mais perigoso da história humana”, diz Noam Chomsky

Noam Chomsky. Créditos da foto: (Reprodução)

Originalmente publicado por ZAP AEIOU

Numa entrevista ao editor George Eaton, do New Statesman, o ativista, agora com 91 anos, indicou que os perigos atuais superam os da década de 1930. “Não houve nada parecido na história da humanidade”.

Chomsky foi entrevistado antes da primeira reunião do Progressive International, uma nova organização fundada por Bernie Sanders, ex-candidato à presidência dos Estados Unidos (EUA), e Yanis Varoufakis, ex-ministro das finanças grego, para combater o autoritarismo de direita.

“Tenho idade suficiente para lembrar, muito vivamente, a ameaça de que o nazismo podia dominar grande parte da Eurásia. Os estrategas militares dos EUA previram que a guerra terminaria com uma região dominada pelos EUA e uma região dominada pela Alemanha. Mas mesmo isso, horrível o suficiente, não foi como o fim da vida humana organizada na Terra, que é o que somos a enfrentar agora”, afirmou.

“Estamos numa confluência surpreendente de crises muito graves. A extensão dessas foi ilustrada pela última configuração do famoso Relógio do Juízo Final. Foi definido todos os anos desde o bombardeio atómico, o ponteiro dos minutos moveu-se para frente e para trás. Mas, em janeiro passado, abandonaram os minutos e passaram para segundos até a meia-noite, o que significa rescisão. E isso foi antes da pandemia”, apontou.

Essa mudança refletiu numa “crescente ameaça de guerra nuclear, provavelmente mais severa do que durante a Guerra Fria, “numa crescente ameaça de catástrofes ambientais” e “numa forte deterioração da democracia”. “A única esperança lidar com as duas [primeiras] crises, que ameaçam a extinção, é por meio de uma democracia vibrante, com cidadãos informados, que participam do desenvolvimento de programas”, referiu.

Segundo o professor, Donald Trump “conseguiu algo bastante impressionante: conseguiu aumentar a ameaça de cada um dos três perigos. Em relação às armas nucleares”, colocou “fim ao desmantelamento do regime de controle de armas, que oferecia alguma proteção. Aumentou muito o desenvolvimento de armas novas, perigosas e mais ameaçadoras, o que significa que outros também o fazem, o que está aumenta a ameaça para todos nós”.

“Na catástrofe ambiental, ele [Trump] escalou os esforços para maximizar o uso de combustíveis fósseis e encerrar as regulamentações que, de alguma forma, mitigavam o efeito do desastre que se aproxima se continuarmos o curso atual”, acrescentou.

E continuou: “Sobre a deterioração da democracia, virou uma anedota. O ramo executivo do governo dos EUA foi completamente expurgado de qualquer voz dissidente. Agora é deixado com um grupo de bajuladores”.

Chomsky descreveu Trump como a figura de proa de um novo “internacional reacionário” formado pelo Brasil, Índia, Reino Unido, Egito, Israel e Hungria. “No hemisfério ocidental, o principal candidato é o Brasil de [Jair] Bolsonaro, uma espécie de clone pequeno do Presidente Trump. No Médio Oriente, com base nas ditaduras familiares, estão os estados mais reacionários do mundo. O Egito de [Abdul Fatah Khalil Al] Sisi é a pior ditadura” que o país “já teve. Israel moveu-se tanto para a direita é preciso um telescópio para vê-lo, é o único país do mundo onde os jovens são ainda mais reacionários do que os adultos”.

“[Narendra] Modi está a destruir a democracia secular indiana, reprimindo severamente a população muçulmana”, disse, acrescentando: “Na Europa, o principal candidato é [Viktor] Orbán, na Hungria, que está a criar um estado proto-fascista. Existem outras figuras, como [Matteo] Salvini na Itália, que se diverte a ver refugiados a afogarem-se no Mediterrâneo”.

Sobre o Reino Unido, considerou: “[Nigel] Farage virá e será um candidato adequado se Boris Johnson não servir o propósito”. A ameaça do Governo do Reino Unido de “violar o direito internacional e romper totalmente com a União Europeia tornaria a decadente Grã-Bretanha ainda mais vassala dos EUA do que já se tornou”, sublinhou.

Chomsky alertou ainda que a ameaça de Trump sobre recusar deixar o cargo caso seja derrotado pelo candidato democrata Joe Biden não tem precedentes. “Ele [Trump] já anunciou repetidamente que, se não gostar do resultado da eleição, não sairá”, notou, frisando que “os militares têm o dever de removê-lo à força”.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!