O novo ‘partido’ de Bolsonaro. Por Fernando Brito

Convenção do Aliança Pelo Brasil

PUBLICADO NO TIJOLAÇO

POR FERNANDO BRITO

Será possível que alguém imagine que esta história do “Aliança para o Brasil” seja a da criação de um partido que, democraticamente, disputará o poder político?

Já de cara isso se pode descartar com o olímpico desprezo pela disputa eleitoral do ano que vem. Embora municipal, ela se estende por todo o país tem – ou deveria ter – ao menos alguns traços nacionais.

No seu próprio manifesto, faz questão de mostrar-se como um ajuntamento em torno da figura do “Mito”:

Isso mesmo! Muito mais que um partido, é o sonho e a inspiração de pessoas leais ao Presidente Jair Bolsonaro, de unirmos o país com aliados em ideais e intenções patrióticas.

Ou do que se lhes faz traduzir em bobagens como o tal “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos!”, muito adequando a quem bate continência à bandeira americana e prega todo dia a violação do primeiro mandamento da tábua de Moisés.

Tudo discutido na profundidade do zapzap que, promete, será seu meio fundamental de “se comunicar com as suas bases e filiados por meio das mais modernas e eficientes ferramentas de comunicação.”

Espanta, por isso, que a maior parte da imprensa siga tratando a “Aliança” como um projeto partidário, interessado em formar bancada parlamentar, aglutinar maiorias congressuais ou que tais.

Bruno Boghossin, hoje, na Folha, é um dos raros que foi ao ponto:

(…)a única razão de existir do partido é servir como máquina para mobilizar as bases bolsonaristas.

O que torna tudo terrível é a pergunta que se segue: mobilizar para quê?

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!