O papel dos patrocinadores no caso Fora do Eixo

Ministério da Cultura, Secretarias municipais e estaduais e empresas estatais também têm a explicar.

capile

O Fora do Eixo existe há 7 anos. Seu modelo de gestão artística sempre foi o mesmo, assim como seus princípios.

Um belo dia, Pablo Capilé vai ao Roda Viva junto com Bruno Torturra explicar o Mídia Ninja. E então esse modelo, que era basicamente de conhecimento da comunidade artística, chega ao público. Com ele, denúncias e opiniões contra o FDE, tal como outras a favor.

A esta altura, todos já sabem quais são as denúncias, e quem não sabe pode clicar aqui. Independentemente de serem tomadas como verdade ou não, consideremos que têm sentido como crítica. Ninguém está isento à crítica, e o espaço aí em baixo está aberto para isso.

Para efeito de exercício de pensamento, digamos que este modelo tem realmente essas falhas apontadas. A culpa, naturalmente, cai no colo do FDE, e de Capilé, como o centro da coisa toda. Mas há outro culpado que até agora parece ter passado despercebido: o Ministério da Cultura, as Secretarias de Cultura estaduais e municipais, e as empresas estatais que os subsidiaram.

Esses órgãos falharam, primeiro, no modelo de subsídio. Depois, na fiscalização.

O Fora do Eixo é um grupo de produtores de eventos culturais que trabalham em cooperativa. Independentemente da porcentagem, existe dinheiro público envolvido.

Esse dinheiro vem de editais públicos e leis de incentivo à cultura, basicamente. Para pedir o subsídio, o artista ou produtor tem que mostrar uma planilha de custos especificando onde tudo será gasto. Por exemplo, se você vai pedir R$ 1 milhão, tem que especificar que R$ 100 mil são para transporte, porque cada passagem custa X, e você precisa de Y passagens. Claro que existe uma margem de erro, até pela lentidão do processo. O que custa X hoje, pode custar 2X amanhã. Mas, em geral, a coisa toda é bem detalhada.

Por quê os órgãos concedem esse dinheiro? Com dois objetivos, basicamente: ajudar artistas que não têm condições de trabalho sem o apoio, e levar cultura para pessoas sem condição de tê-la sem que o produtor receba apoio.

Quando um artista pede esses subsídios, tem que convencer que precisa. Se o artista vende ingressos, por exemplo, e esses ingressos o sustentam, não pode receber o incentivo.

Foi com esse argumento que o Ministério, por exemplo, não concedeu apoio ao blog da Maria Betânia. Aí nós voltamos à fala de Capilé no Roda Viva: segundo ele, o Fora do Eixo se utiliza apenas de 3% a 7% de dinheiro que vem de recursos públicos. O resto, isto é, entre 93% e 97%, são recursos próprios para fazer seus festivais, shows etc.

Se este número é verdade, quer dizer que o FDE é capaz de se auto-sustentar ajustando uma coisa aqui e outra ali. Assim, ele não é, ou não deveria ser, aplicável aos subsídios. Caberia aos órgãos impor esse limite. Falha deles.

Mas há uma outra falha no modelo, talvez maior. O FDE é um produtor, não um artista. Justo, cada um faz o que pode. Eles têm como política oferecer um espaço que teoricamente, ou de fato, vai dar prestígio e exposição em troca do show. É uma troca que, em condições normais, faz parte do jogo. Mas aqui nós temos dinheiro público destinado à cultura. É um dinheiro que até pode passar pelo produtor. Mas ele tem que chegar ao artista.

Não é uma opção. A regra, em basicamente todos os editais, é “se você quer dinheiro destinado à arte, você tem que pagar pela arte”. Quer dizer, você paga a banda. Se sobrar, você faz o palco dos seus sonhos. Se, não você faz o palco que dá. Mas você paga o artista – e em reais, que é a moeda com a qual você recebeu o subsídio. Só que ninguém checou se esse dinheiro chegou ou não nos artistas. E é notório que, para o FDE, o artista não deve receber.

O que o Ministério e as Secretarias teriam que ter feito, ao notar essa política do Fora do Eixo, é cortar os subsídios. Com artistas passando fome, você não pode sustentar uma organização que não paga os artistas com dinheiro destinado à arte.

E, de novo, se os órgãos não notaram, é pior.

O Fora do Eixo recebeu R$ 12 milhões de reais desse tipo de verba pública durante os 7 anos de existência, segundo a Folha de S. Paulo. Quanto desse dinheiro ficou no arroz com feijão e nos Macintoshs dos voluntários/funcionários/sócios do Fora do Eixo, e quanto foi para os artistas não se sabe ao certo.

Mas esta é uma informação que, dada a controvérsia, tem que se tornar de conhecimento público, se não por parte do FDE, por parte dos patrocinadores.

Compartilhar
Artigo anteriorEuclides
Próximo artigoA nova etapa do Mensalão tem que corrigir injustiças
Emir Ruivo é músico e produtor formado em Projeto Para Indústria Fonográfica na Point Blank London. Produziu algumas dezenas de álbuns e algumas centenas de singles. Com sua banda, Aurélios, possui dois álbuns lançados pela gravadora Atração. Seu último trabalho pode ser visto no seguinte endereço: http://www.youtube.com/watch?v=dFjmeJKiaWQ