O preço da demagogia: “Não vejo abuso na Lava Jato, não vejo ‘espetáculo'”, disse Temer. Por Kiko Nogueira

Eles

A prisão de Michel Temer — arbitrária, como já escrevi aqui, e isso não é defesa do cidadão que você e eu sabemos quem é — contém várias lições.

Uma delas é de que a Lava Jato é um projeto de poder da República de Curitiba e funciona como uma pororoca na democracia, alargando e destruindo as margens do estado de direito.

Temer, constitucionalista, corrupto, demagogo, tentou surfar na imagem da operação quando assumiu a presidência da República.

Interino e efetivo, postou no Twitter as seguintes imbecilidades:

“A Lava Jato tem prestado importantes serviços ao país. Sou jurista e sei do papel fundamental da Justiça e do MP para o avanço das instituições.”

“Nesse contexto, a Lava Jato tornou-se referência e, como tal, deve ter prosseguimento e proteção contra qualquer tentativa de enfraquecê-la.”

“Não vejo abuso na Lava Jato. Não vejo ‘espetáculo’. Tem que avaliar o teor das denúncias.”

No pedido de prisão, o juiz Marcelo Bretas argumenta que Temer é “líder da organização criminosa”.

Em editorial, o Estadão lembra o seguinte:

Na decisão, o juiz Marcelo Bretas utiliza 18 vezes o verbo parecer – “parecem ter feito”, “parecem estar vinculados”, etc. –, deixando em evidência a frágil ligação entre os fatos investigados e as conclusões a que o Ministério Público deseja chegar, como a existência da tal organização criminosa de quatro décadas, chefiada por Michel Temer.

A soma dos valores de propinas do suposto bando chefiado por MT ultrapassa R$ 1,8 bilhão, segundo o MPF, um número visivelmente chutado para impressionar.

Marun conta que o ex-chefe está escrevendo um livro na cadeia.

O capítulo sobre Sergio Moro promete.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!