O protagonismo feminino no último episódio de Game of Thrones. Por Luísa Gadelha

(Atenção: contém spoilers do episódio 6.09: Battle of the Bastards)

Sansa Stark e Jon Snow
Sansa Stark e Jon Snow

Um dos mais esperados episódios da sexta temporada de Game of Thrones foi ao ar nesse domingo, na HBO, às 22h. Intitulado Battle of the Bastards, o nono e penúltimo episódio da sexta temporada mostrou, enfim, a batalha entre os dois bastardos Jon Snow e Ramsay Bolton pela retomada de Winterfell.

De acordo com a Entertainment Weekly, a batalha levou 25 dias para ser filmada e contou com 70 cavalos, 600 membros de equipe e 500 figurantes. O ator Liam Cunningham, que interpreta Sor Davos, disse que foi um dos episódios mais caros já produzidos para a televisão.

De fato, dizer que Battle of the Bastards foi um espetáculo é muito pouco. Há mídia vem falando há dias das cenas e dos efeitos especiais que nos esperavam, e os atores já haviam alardeado que esse seria um dos episódios mais comentados; as armadilhas, as surpresas, reviravoltas e os jogos de Ramsay Bolton contribuíram para transformar o episódio num verdadeiro show.

Mas o que mais me atraiu no episódio foi o protagonismo feminino. Game of Thrones tem sido alvo de críticas pelo seu recorrente sadismo com o sexo feminino. Cenas desnecessárias, ou inexistentes nos livros, de estupros e agressões contra mulheres, têm sido frequentes ao longo das temporadas; para citar apenas dois exemplos, dentre tantos outros, o estupro de Sansa na temporada anterior e as cenas de sexo entre Melisandre e Stannis Baratheon.

Some-se a isso a recente infeliz declaração de Kit Harington, que interpreta Jon Snow, de que os homens sofrem sexismo. Sério que você acredita que seu talento como ator é ofuscado pela sua beleza, Kit Harington? Como diria Ygritte, You know nothing, Jon Snow.

Se a série não se redimiu do seu machismo gratuito em 6 temporadas, ao menos mostrou a que as mulheres vieram em Battle of the Bastards: começamos com Sansa, criticando o meio-irmão Jon Snow por não tê-la consultado ao discutir as estratégias da batalha. De fato, só Sansa conhecia pessoalmente Ramsay Bolton e seus jogos de crueldade, e foi sábia em alertar o irmão do que estava por vir. Em seguida, nos deparamos com Jon Snow pedindo conselhos a Melisandre.

Do outro lado do mundo de GoT, bem a leste do continente Essos, Daenerys retoma Meereen com a ajuda de seus dragões e do povo dothraki, tornando-se uma rainha cada vez mais poderosa. Observamos a chegada a Mereen de Iara Greyjoy (Asha, nos livros), lésbica e herdeira das Ilhas de Ferro, e sua envolvente lábia para arquitetar uma aliança com Daenerys. Por fim, as duas firmam um pacto, ambas apoiando-se como rainhas das terras de seus ancestrais.

E, para fechar o episódio, depois da cena épica e sufocante da batalha dos bastardos, o rendido Ramsay Bolton, que imaginávamos que seria morto por Jon Snow, é dado de comer a seus cães, da mesma forma que fazia com suas vítimas, por uma Sansa Stark estampando um discreto sorriso na ponta dos lábios – sim, aquela mesma garota bobinha e mimada da primeira temporada que sonhava casar-se com um príncipe, apelidada de Sonsa pelos fãs mais desgostosos.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!