O PT é cobrado por não ir à posse do sujeito que quer “fuzilar a petralhada” e “banir os vermelhos”. Por Kiko Nogueira

Bolsonaro prometeu “fuzilar essa petralhada”

PUBLICADO ORIGINALMENTE EM 28/12/2018, REPUBLICADO AGORA POR RAZÕES ÓBVIAS

A tentativa de normalizar Jair Bolsonaro e uma eleição cujo líder nas pesquisas foi mandada para a prisão pelo juiz que viraria ministro do ganhador passa agora por bater no PT e no PSOL por não irem à posse no Congresso.

Os líderes dos partidos afirmam respeitar o resultado legítimo, mas o boicote é “ato de resistência e de protesto”. 

Qual o problema?

Mais uma vez, partiu de jornalistas uma lição de moral esdrúxula.

Na CBN, Maria Cristina Fernandes, sussurrante, grave, apontou que acha “preocupante” a atitude.

No Valor, ela explica que o PT se ausenta de uma “missão constitucional a ser exercida em nome do povo brasileiro e não do governo eleito”.

Gerson Camarotti, feliz como pinto no lixo com a notícia, deu aula sobre republicanismo e desceu a lenha no Partido dos Trabalhadores na GloboNews.

É curioso como o PT é cobrado quando perde e quando ganha. Nunca acerta. 

Algumas questões, como a da autocrítica, por exemplo, ficam restritas a lulistas, dilmistas e afins. Para os demais, é facultativo.

Maria Cristina, Gerson e demais cidadãos exemplares esperam que os parlamentares cubram a cabeça de cinzas e se encaminhem para o abatedouro, onde serão recebidos da maneira como seu líder vem explicitando há meses.

Devem homenagear o sujeito que falou em fuzilar a petralhada, cujos filhos, o guru e os estafetas diretos pregam diuturnamente a extinção física dos inimigos “comunistas”.

Do PT se cobra a observância estrita da Constituição.

Já seus inimigos podem tudo.

Foi assim também quando Haddad demorou mais do que três horas para felicitar Bolsonaro pela vitória.

Dorrit Harazim, colunista do Globo, foi ao Twitter cobrar civilidade no pântano.

“O processo eleitoral democrático também recomenda que o derrotado felicite o vencedor de público. E cedo. Vacilou feio, Haddad”, decretou.

Mariliz Pereira Jorge, da Folha, candidata à vaga de Sheherazade, considerou que Haddad se apequenou “ao não fazer esse gesto”.

Foi a campanha mais sórdida da história nacional, plena de violência verbal e física, absolutamente antidemocrática. Uma aberração. Não houve nem sequer debate entre os finalistas.

Ficamos combinados que o homem que acusou o adversário de distribuir “mamadeira erótica” nas escolas, estuprar uma criança de 11 anos, inventar o kit gay, interromper uma aula para comemorar o atentado de 11 de setembro etc etc está cumprindo uma “missão constitucional”.

Quem não vai à sua posse é antidemocrático.

Então tá.

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!