O que Luiza Trajano poderia aprender com a herdeira da Disney, que quer pagar mais imposto sobre sua fortuna

Abigail Disney

Luiza Trajano foi sabonete no Roda Viva quando perguntada se é a favor da taxação das grandes fortunas, um tema candente num mundo cada vez mais desigual.

Ela se declarou favorável, desde que com uma condição: que haja transparência e objetividade no destino e aplicação desses impostos.

Sugeriu que os próprios bilionários administrassem e decidissem o destino desses impostos.

“Se tem que ter distribuição de renda? Tem. Mas é preciso saber o jeito que foi feito, a gente tem que ter controle”, falou.

Ora, eu e você também queremos “controlar” a mordida do Leão.

É uma conversa mole para que ela não tenha que falar a verdade: é contra algo estabelecido nos EUA, Europa, Japão — enfim, o mundo civilizado.

Luiza citou os Estados Unidos como exemplo de “cultura de doação”.

Pois lá vive uma mulher que merecia a atenção de Luiza: Abigail Disney, herdeira do império de entretenimento fundado por seu avô Walt.

Abigail acredita que a desigualdade torna o “sonho americano” impossível.

“Nós estamos criando uma ‘superclasse’ que está muito distante da maioria das pessoas”, disse à CNN. Os dois grupos já não “compartilham o mesmo planeta”.

Assinou uma carta com outras pessoas estupidamente ricas, entre elas George Soros, pedindo para pagar mais impostos.

Isso num país cujo presidente, Trump, é sonegador contumaz.

“Escolhi ser uma traidora da minha classe”, disse Abigail, cuja fortuna é calculada em US$ 120 milhões.

Ela resolveu se mexer após Bob Iger, CEO da Disney, embolsar perto R$ 260 milhões por seu trabalho em 2018.

Funcionários da Disneyland na Califórnia se queixaram a ela de que o salário de US$ 15 não era suficiente para que pagassem as próprias contas.

“As pessoas com quem falei disseram-me: ‘Não sei como posso sustentar essa cara de alegria quando tenho que ir para casa e procurar comida no lixo de outras pessoas'”, disse.

Luiza tem muito a aprender com Abigail, e não é sobre o castelo da Cinderela.

Luiza Trajano

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!