O que significam os 38% de Dilma

Essencialmente, que as eleições de 2014 estão definidas.

 

Ela vai ter quatro anos para acelerar as reformas sociais
Ela vai ter quatro anos para acelerar as reformas sociais

Os 38% de aprovação de Dilma na pesquisa do Ibope – 7 pontos a mais que uma feita no calor dos protestos de junho – indicam, essencialmente, uma coisa.

2014 está virtualmente definido.

Salvo o que seria uma das maiores surpresas da história eleitoral brasileira, Dilma terá seu segundo mandato.

A recuperação previsível da popularidade de Dilma ajuda a entender melhor as manifestações.

A oposição gostaria que o foco dos protestos tivesse sido a “corrupção”. Se fosse assim, a disputa estaria aberta.

Destaca-se, neste sonho forçado, a entrevista nas páginas amarelas que a Veja deu com um troglodita de direita que a revista alçou à condição falsa de “voz que emerge das ruas”.

Mas não foi isso.

Os protestos, como afirmaram categoricamente seus reais inspiradores, os jovens do Passe Livre, estavam pedindo mais ação social, mais inclusão, menos desigualdade. E menos alianças espúrias com caciques como Maluf ou os ruralistas.

As manifestações foram um chacoalhão no PT, sem dúvida. Mas um chacoalhão vindo da esquerda, e não da direita.

Líderes petistas como Lula e Dilma parecem ter compreendido a mensagem.

Dez anos de PT e o que se tem é o conhecido copo pela metade, em termos de avanços sociais. O país se tornou menos iníquo com programas como o Bolsa Família, mas a velocidade das reformas tem sido frustrante exatamente por conta dos compromissos com políticos conservadores.

Se você firma uma aliança de ocasião com a bancada ruralista, para ficar apenas num exemplo, pobres índios.

Daí a emergência de uma reforma política que tire os freios que atrasam a transformação do Brasil numa – sonhar não custa nada – Escandinávia.

Dilma pode se tornar uma grande presidenta em seu segundo mandato.

Mas para isso ela vai ter, como em sua moto, pisar no acelerador das reformas que coloquem o Brasil num lugar honroso entre os países socialmente justos.

Os brasileiros mostraram estar fartos de tanta acomodação, tanta conciliação com quem levou o país à condição de campeão mundial da desigualdade social.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!