O racismo gourmet dos baianos ricos. Por Leandro Fortes

A socialite Donata Meirelles entre as mucamas de sua festa

POR LEANDRO FORTES

Mucamas, antes de tudo, eram escravas sexuais dos senhores, até o final do século XIX.

Além de seviciadas por pais, filhos e convidados, trabalhavam nos afazeres domésticos, sem descanso, e dormiam no chão, as poucas horas que lhe restavam.

Quando envelheciam, eram jogadas na lavoura, onde morriam de cansaço e inanição.

Essa representação da negra como mucama alegre e sorridente, como nessa festa de Salvador, é um expediente recorrente e lamentável da classe dominante branca baiana, infelizmente, com aquiescência de muita gente boa que não consegue viver longe de uma boca livre.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!