O rato que ruge, versão Bolsonaro. Por Fernando Brito

Publicado originalmente no blog do autor

Por Fernando Brito

Para enfrentar a pandemia, “tem que deixar de ser um país de maricas”, porque “todos nós vamos morrer um dia, aqui todo mundo vai morrer.”

Para enfrentar as pressões internacionais, “quando acabar a saliva, tem que ter pólvora.”

Bolsonaro, que nunca se curou de idiotice, parece que teve um súbito agravamento do seu grave quadro de estupidez.

Não é preciso muito para saber da etiologia da demência presidencial: a derrota de Donald Trump, que o deixa órfão política e diplomaticamente. Além, é claro, no cinismo sanitário em relação à pandemia.

Mas não é só isso.

Bolsonaro se prepara para um desastre de 2021, com a perda do esteio de sua ainda assim minguante) popularidade e o início, na prática, do processo eleitoral de 2022.

Bolsonaro está voltando à velha agressividade e isso tende a piorar, ultrapassando até os limites do início deste ano.

Veja os dois momentos “gloriosos” de Bolsonaro, selecionados pelo Poder 360.

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!