O sequestro de uma criança em SC e a compulsão por likes: fotos em rede social podem ter motivado crime

Fabíola de volta para a família

Chegou ao fim na madrugada de ontem o sequestro da pequena Fabíola, de 4 anos, que havia sido tirada dos braços da mãe na sexta-feira, quando estava em casa, em Palhoça, na região metropolitana de Florianópolis.

A mãe recebeu um golpe na cabeça e teve de ser levada ao hospital.

A Polícia Civil encontrou a criança com um casal, em uma residência na capital catarinense.

O casal foi preso, mas ainda não se sabe a motivação do sequestro.

Em entrevista coletiva, a polícia descreveu o cenário em que a criança foi encontrada. Era uma “bagunça generalizada, sem condições nenhuma de estadia de qualquer ser humano”.

No local, segundo os policiais, havia fezes de animais misturadas com roupas de criança, além de “brinquedos macabros e bonecas pintadas como se fosse filme de terror”.

A delegada Eliane Chaves, chefe da Polícia Civil na Grande Florianópolis, chegou a mencionar a rede social como risco para as crianças.

Ela recomendou que os pais evitem postar fotos dos filhos no Facebook e Instagram, por exemplo, que podem atrair a cobiça de criminosos.

“As redes sociais são públicas. Então, pessoal que são mal intencionadas podem tentar fazer uso dessa foto ou então tentar se aproximar da criança e chegar à ocorrência de um crime mais grave”, disse ao repórter Sergio Guimarães, que se dedica ao jornalismo comunitário na região.

A polícia chegou até o local onde a criança estava a partir de informações recebidas.

Os policiais foram até o local informado e, encontraram um um Gol branco, carro com as mesmas características do veículo que teria sido utilizado na noite do crime.

Eles entraram na casa de dois pavimentos, localizada no Norte da Ilha, e encontraram a criança e os autores do crime.

Conforme o delegado Fábio Pereira, de Palhoça, o homem foi encontrado no piso térreo da casa. Ele tentou resistir à ação policial e foi contido.

“Ele foi indagado se havia mais alguém na casa e, primeiro, disse que estava sozinho. Depois, insistiram e ele disse que estava com a esposa. Em um terceiro momento, ele disse que havia ‘uma menina que eles estavam cuidando’”.

A equipe, então, se deslocou ao piso superior da casa e localizou a criança em um cômodo, no colo da mulher.

“Ela não soltava a criança de maneira alguma. Foi dado comando para que ela largasse a criança e ela não atendia”, disse Pereira.

Apesar da resistência inicial, os agentes conseguiram tomar a menina e conter os autores.

O casal foi preso em flagrante e autuado por sequestro qualificado, tendo em vista que a vítima é menor de 18 anos. Eles foram encaminhados à Dpcami de Palhoça, onde prestaram depoimento.

.x.x.x.

Com informações do ND+