O ‘tiozão do churrasco’ tirou a carne dos brasileiros. Por Fernando Brito

Jair Bolsonaro (foto: Evaristo Sá/AFP)

Originalmente publicado em TIJOLAÇO

Por Fernando Brito

A Folha, em matéria da agência Reuters, e a BBC noticiam esta semana o que já é conhecido por qualquer pessoa que faça compras para a casa: o brasileiro come cada vez menos carne bovina e, para muitos, a dieta de reduziu – e olhe lá – a ovos.

Do consumo recorde dos tempos do Governo Lula (42,8 quilos por habitante, em 2006), o consumo per capita veio caindo e chegou em 2020 a 29,3 quilos por brasileiro, quase um terço a menos.

E, como sabemos todos, vai cair mais ainda em 2021, porque os preços seguem subindo, acumulando alta de 29,5% em 12 meses, quase seis vezes mais que a inflação oficial. E, como a exportação é o que determina o preço interno, a manutenção do dólar alto mantém o preço lá em cima.

Nossos vizinhos argentinos, que têm o mesmo perfil exportador (três quartos da carne que produz é vendida para a China), esta metida numa crise com os ruralistas por ter imposto limites às vendas externas para segurar o preço interno. Aqui, como se viu, os produtores estão em festa com Bolsonaro, o “tiozão do churrasco”, o da picanha de R$ 1.800 o quilo.

O que as reportagens mostram é que o ovo quem, em geral, substitui a carne como proteína na mesa dos brasileiros.

Por enquanto.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!