O truque de Witzel para atormentar a família. Por Moisés Mendes

Wilson Witzel na CPI da Covid. Foto: Reprodução/TV Senado

Publicado originalmente no Blog do autor:

Por Moisés Mendes

Os Bolsonaros sabem que Wilson Witzel sabe o que muita gente gostaria de saber. E Witzel foi à CPI para provocar a família: eu sei o que vocês tentam esconder.

Witzel fez uma manobra de mafioso e driblou Flávio e o pai. Foi lá, deu seu recado, associou as perseguições de Bolsonaro à tentativa de esclarecimento do assassinato de Marielle, insinuou as ligações da família com bandidos, levantou-se e foi embora.

O truque deu certo. Witzel tinha, por garantia do Supremo, o direito de falar o que bem entendesse. Poderia até não ir à CPI. Mas foi com um roteiro armado: iria cutucar os Bolsonaros e mandar recados. Quando fosse cercado, cairia fora.

O fuzileiro que virou juiz falou diante de uma turma barra pesada, que Flavio levou para a CPI como aviso e intimidação.

Ficou ainda mais evidente que Flavio é o guarda-costas do pai nesse caso, até porque foi ele, o senador amigo de Queiroz, quem inventou Witzel candidato a governador em 2018.

O comportamento de Flavio foi o de líder de facção. Quando Witzel deixou claro que pretendia contar o que sabe sobre Bolsonaro, em reunião secreta da CPI, o filho logo anunciou que estaria junto na reunião.

Foi Witzel, e não um integrante da CPI, quem esclareceu depois que Flavio não poderia participar, porque não é membro da comissão. De uma reunião sob segredo de Justiça, em que Witzel falaria o que não pode falar em público.

O filho queria estar presente na reunião secreta como filho que iria ouvir tudo o que um acusador tem a contar sobre o pai. Flavio seria o ouvinte infiltrado de Bolsonaro.

É a republiqueta que tem no poder uma família acuada. Os Bolsonaros tentam dar a entender que estão no ataque. Estão na defesa.
Witzel os colocou contra a parede. Vários outros ex-amigos da família fizeram o mesmo.

Flavio era na CPI o filho mimado defendendo o pai da acusação de que é miliciano e pode estar envolvido na morte de Marielle. Flavio acusou o golpe. É Witzel quem está no ataque.

O ex-fuzileiro conhece atalhos que Bolsonaro também conhece. Os dois foram tenentes, um na Marinha e outro na Aeronáutica.

Witzel tentou imitar Bolsonaro em quase tudo, quando virou político, a ponto de comemorar a morte de bandidos e de avisar que iria metralhar favelas.

É possível que Witzel só não seja tão bandido quanto Bolsonaro porque cometeu barbeiragens e se encantou com a dinheirama liberada para o combate à pandemia.

O mais importante é que Witzel avisou aos Bolsonaros que vai ligar o assassinato de Marielle à família, sempre que fala dos mandantes até hoje encobertos.

Sugeriu que o caso do porteiro (aquele do seu Jair) foi abandonado porque o homem foi coagido a desistir do seu relato. O que mais impressiona é que, mesmo dizendo que pretende ir embora do país, por temer as ameaças que recebe, foi até agora quem mais afrontou os milicianos na CPI.

E agora as perguntas. Quem vai proteger Witzel dos milicianos? Os Bolsonaros teriam coragem de atentar contra um inimigo que foi juiz federal? O que Flavio Bolsonaro fará com a batata quente que Witzel largou em seu colo?

Aguardemos a reunião secreta, que de secreta não terá nada, porque pelo menos três emissários da facção, participantes da CPI, estarão ouvindo Witzel.

Pode ser até que Witzel não participe de nenhuma reunião sigilosa e que tenha blefado. Mas o blefe já cumpre a função de atemorizar a família.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!