Wikiencrenqueiro

Ele briga com todo mundo

Julian Assange pode ser acusado de muitas coisas. Mas menos de não ser encrenqueiro.

Assange parece brigar com todo mundo. Pouco tempo atrás, ele brigou com o jornal Guardian – do qual seu Wikileaks fora parceiro – em torno dos telegramas confidenciais das embaixadas americanas. Já tinha brigado antes com o New York Times, outro antigo aliado.

Agora ele arrumou encrenca com a Canongate, editora inglesa que pagou a ele um adiantamento considerável – seis dígitos, se comenta – para publicar sua biografia autorizada. A editora gravou 50 horas de conversa com ele, e um escritor deu texto final ao material.

Acontece que Assange quis cancelar o contrato.

A editora não recebeu o adiantamento de volta. Também já tinha se comprometido com outras editoras em diversos países para a publicação da biografia em diversas línguas. Sem contar que foi gasto dinheiro para entrevistar Assange e depois escrever, literariamente, seu relato.

A Canongate então foi adiante. Decidiu lançar o livro com ou sem o apoio de Assange. Que ficou furioso.

Li trechos do livro, publicados pelo jornal Independent. Gostei. Assange evidentemente nega que tenha  estuprado as duas suecas que o acusam de agressão sexual. Ele diz que uma delas ficou furiosa porque ele não atendeu o celular depois de ter passado a noite com ela em sua cidadezinha, a uma hora de Estocolmo. Custou caro não ter respondido ao telefonema, diz ele. Sobre a outra mulher, ele lembra que num curto espaço de tempo ela mudou sua opinião radicalmente sobre ele. Chamara-o publicamente em seu twitter de “o homem mais interessante do mundo”, e logo depois estava dizendo que ele é um homem que não sabe ouvir um não.

Admiro Assange. Ele já conquistou um lugar de honra na história do jornalismo investigativo com o Wikileaks. Desde os velhos barões da imprensa da segunda metade do século 19 não aparecia ninguém  ns mídia que influenciasse tanto o mundo como Assange.

Gênio.

Mas como quase todo gênio não consegue viver pacificamente com ninguém exceto talvez por ele mesmo. Mas mesmo aí há boas razões para dúvidas.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!