Oportunista, Doria transforma vacinação da 1ª pessoa no Brasil em palanque e causa aglomeração no HC

Jair Bolsonaro e João Doria se merecem.

Na guerra para politizar a pandemia, os dois usam instituições acima de qualquer suspeita como Butantan, Anvisa e Fiocruz, conspurcando a imagem delas.

Doria fez questão de montar um circo para aparecer ao lado da primeira pessoa a tomar a Coronavac, Mônica Calazans, enfermeira que trabalha na UTI do Emílio Ribas.

Chorou com ela, abraçou, ficou em cima das câmeras.

Na Inglaterra, Margaret Keenan, de 90 anos, foi a primeira no mundo a receber a vacina da Pfizer fora de um ensaio clínico.

Recebeu a injeção em um hospital em Coventry na manhã de 8 de dezembro das mãos de uma profissional de saúde. Rápido e rasteiro, vida que segue.

Margaret Keenan, primeira pessoa a receber a vacina da Pfizer na Inglaterra

Nos EUA, o governador Andrew Cuomo participou do ritual de seu gabinete.

Doria terminou a palhaçada causando uma aglomeração no Hospital das Clínicas e fazendo uma coletiva para bater no presidente que ajudou a eleger em 2018.

“Quero agradecer ao meu pai e à minha mãe”, disse o governador de São Paulo a certa altura, num show nojento de demagogia.

“Hoje é o Dia V. Dia da vitória. Dia da vacina”, pregou.

Deus é pai. Dos outros.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!