Oposição moderada a Piñera trai o povo chileno e faz acordo lesivo. Por Breno Altman

Manifestações populares pressionaram por mais direitos e participação popular / Reprodução

Publicado originalmente no perfil de Facebook do autor

POR BRENO ALTMAN

NOVA TRAIÇÃO NO CHILE

Repete-se no Chile, a mesma traição à rebelião popular ocorrida em 1986, depois que fracassou o tiranicídio contra Pinochet.

A oposição moderada, liderada pelo Partido Socialista (PS) e o Partido Pela Democracia (PPD), alinhada com setores da Frente Ampla, aceitou acordo com a direita que representa verdadeira armadilha contra o povo.

Embora convoque plebiscito que decidirá sobre o fim da Constituição de 1980, herdada de Pinochet, a consulta foi chamada para daqui a seis meses, quando a Mesa de Unidade Social reivindicava 30 dias.

Mas isso não é o pior: qualquer que seja a modalidade para conceber a nova Constituição, como bem denunciou o PC chileno, mudanças em relação à Carta Magna atual somente serão possíveis com 2/3 dos votos. Ou seja, basta a direita manter 1/3 dos votos e poderá manter o que quiser da atual Constituição.

Mais um detalhe sórdido: pactuou-se que Sebastian Piñera ficará isento de qualquer denúncia constitucional pela repressão e o assassinato de ativistas.

O PC e seus aliados mais próximos, além dos dos setores mais combativos da Frente Ampla, se recusaram a assinar o acordo.

Junto com outros setores populares, dentro e fora da Mesa de Unidade Social, convocam novas manifestações e protestos.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!