Os 8 maiores sedutores da literatura

 

 

Bond. James Bond

 

Camila Nogueira, minha caçula, é uma jovem leitora voraz. Seu irmão Pedro, editor do site masculino El Hombre, a provocou. Instou-a a escrever, para o site, uma lista com grandes sedutores da literatura.

Ela cumpriu a tarefa, e mandou ao pai para que desse uma lida. Não resisti, e publico também, orgulhoso,  no DCM.

 

8 ) Henri de Marsay – O jovem dândi e notório mulherengo parisiense de Balzac aparece em mais de vinte dos trabalhos do escritor, incluindo O Pai Goriot e Ilusões Perdidas, e teve seu papel de protagonista no romance A Menina dos Olhos de Ouro. Henri é uma prova de que a fidelidade jamais esteve na moda, e durante todos os livros balzaquianos nos quais figura está sempre com novas amantes, alegando que “o homem se protege usando a mulher para que a mulher não possa usá-lo”. Além disso, Henri é bem o tipo de pessoa que seria capaz de matar para manter a reputação ou para satisfazer sua vaidade.

 

7 ) Philip Marlowe – Com uma atitude um pouco ambígua e violenta diante das garotas, Marlowe é um símbolo do machismo – alcóolatra, falante e mulherengo. Se fôssemos fazer uma lista de machos alfas, Marlowe certamente estaria no pódio. Protagonista de dez romances e vários contos de Raymond Chandler, tem um senso humor negro, uma suavidade de quatro tigres depois do jantar e uma aptidão a se envolver com as mulheres fatais que o rodeiam.

 

6 ) Bel Ami – Com seu olhar de jovem atraente, que se projeta como o bote de um gavião, a aparência de Georges Duroy assemelha-se, segundo Guy de Maupassant, autor do livro, a um vilão dos romances populares. Sendo um ex-soldado tão pobre quanto belo, percebe que é através das mulheres que se sobe mais depressa e inicia sua saga de sedutor. Ao decorrer do romance, mostra ser um canalha de primeira, aceitando mimos de suas muitas amantes, seduzindo as esposas de todos os amigos ricos, casando-se com a viúva de um deles (uma libertina fina e astuciosa que o auxilia em sua carreira de jornalista, escrevendo seus artigos), rouba metade da herança que esta recebe de um ex-amante e, nesse meio tempo, encontra constantemente sua amante favorita, Clotilde de Marelle, que está sempre voltando para ele, independentemente do mal que ele lhe faz. Por fim, consegue alcançar a posição que almeja ao seduzir e se casar com uma bela herdeira, filha de seu patrão (de quem, é importante notar, também seduzira anteriormente a esposa).

 

5) Páris – O atraente príncipe troiano merece uma boa colocação nessa lista por ter causado, graças a seus instintos sedutores, a ruína de todo um império. Retratado por Colleen McCullough, autora de A Canção de Tróia, como um dândi mesquinho e egocêntrico, conquista a esposa de um rei grego, a estonteante Helena (não menos egocêntrica e mesquinha do que ele, deve ser dito), e a leva consigo para o palácio de seu pai. O fato é que Páris conquista não só a Helena, mas muitas outras ninfas e até deusas, e assim pode ser considerado um grande (embora covarde) sedutor.

 

4 ) Visconde de Valmont – O Visconde de Valmont é perverso protagonista de Ligações Perigosas, romance epistolar escrito por Pierre de Laclos. Valmont e sua cúmplice, a igualmente canalha Mar-quesa de Merteuil, são personagens cínicos, imorais, inescrupulosos e exímios conquistadores – em suma, dissimulados e autênticos libertinos. Encarando a sedução como um jogo, Valmont conquista a maior parte das mulheres do livro e as conduz à ruína. Na versão cinematográfica, Valmont é brilhantemente interpretado por John Malkovich.

 

3 ) Zeus – Alguns afirmarão que Zeus mereceria o primeiro lugar nessa lista – outros que ele nem mesmo é merecedor de estar nela, visto que não é um personagem de literatura. Eu o inclui porque há muitos livros acerca das lendas gregas, e não lhe dei o troféu de maior sedutor da literatura por que a verdade é que grande parte das conquistas de Zeus foram efetivadas porque ele se transformou em algum animal (desde cisnes a touros) e seduziu outras deusas, ninfas, humanas ou até mes-mo feiticeiras. Consequentemente, foi pai de (quase) o Olimpo inteiro.

 

2 ) Don Juan – Don Juan foi um libertino fictício cuja história foi contada por diversos autores, tais como Tirso de Molina e Lord Byron. Embora os vários romances que giram em torno do famoso sedutor  possuam algumas diferenças, a personalidade de Don Juan costuma ser a mesma: Um libertino rico, elegante e astucioso que passa o tempo seduzindo muitas mulheres.

 

1 )  James Bond – O primeiro lugar estava, evidentemente, guardado para o famoso 007, criado por Ian Fleming. James Bond é um espião que adora bebidas (batidas, não mexidas), mulheres – de preferência perigosas – e dirigir automóveis em alta velocidades. Em cada um dos livros nos quais é o protagonista, o agente tem uma nova missão, novas garotas e muitos problemas. Suas amantes, apelidadas de bond girls, foram interpretadas pelas maiores beldades de Hollywood, e no cinema foi personificado por Sean Connery, George Lazen, Roger Moore, Timothy Dalton, Pierce Brosnan e Daniel Craig.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!