Os eleitos pelo Distrito Federal e o bestiário da política. Por Luiz Felipe Miguel

Cristovam, Regufe e Rollemberg: Distrito Federal já foi melhor representado

PUBLICADO ORIGINALMENTE NO FACEBOOK DE LUIS FELIPE MIGUEL

O Distrito Federal é pequeno, mas dá uma contribuição desproporcional ao bestiário da política nacional. Fomos governados por Roriz, Arruda, Cristovam e Agnelo. Nosso trio de senadores é imbatível: Cristovam de novo, o inefável Reguffe e Hélio Gambiarra, de codinome autoexplicativo. (O Rio Grande do Sul até que se esforçou, colocando Ana Amélia e Lasier Martins, mas ainda sobra Paulo Paim.) São daqui os deputados federais Rogério Rosso, autor do projeto que criminaliza a “cristofobia”; Izalci Lucas, adversário incansável da educação pública e cruzado do Escola sem Cérebro; Laerte Bessa, que espera que a ciência avance para que os criminosos sejam abortados antes de nascer (fora isso, claro, ele é um defensor aguerrido da “vida desde a concepção”).

Agora, o deputado federal Alberto Fraga, líder da bancada da bala, anunciou sua candidatura ao governo local – alinhado a Bolsonaro, claro. E explicou que sua única prioridade é a segurança pública. Educação e saúde? Em segundo plano. E explicou: “Prefiro meu filho doente e burro, mas vivo”.

Impropriedade verbal de momento? Não. Fraga estava repetindo frase que usou em pronunciamento na Câmara dos Deputados, em junho deste ano. É o discurso que ele calibrou para atingir seu eleitorado. Isso é o mais estarrecedor.

Doente e burro, na verdade, anda o Brasil. Nem por isso está mais seguro. É a prova de que o raciocínio de Fraga está furado.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!