Os EUA se preocupam se Trump fará o que os EUA sempre fizeram no resto do mundo: dar um golpe

Trump e o general Mark Miley

Os Estados Unidos vivem uma preocupação com algo que os Estados Unidos vivem fazendo no resto do mundo: tomar um golpe com ajuda dos militares.

Durante a semana, Donald Trump declarou em duas ocasiões que não se comprometerá com uma transferência pacífica de poder se perder a eleição, que será disputada em 3 de novembro.

“Você não está na Coreia do Norte; você não está na Turquia; o senhor não está na Rússia, nem na Arábia Saudita“, disse a ele Nancy Pelosi, presidente da Câmara.

Pelosi podia muito bem ter citado os países que viraram ditaduras mais ou menos disfarçadas graças aos EUA, uma história que começa com o primeiro ministro Mohammed Mossadegh no Irã, passa pelo Brasil em 64, por Pinochet no Chile, Indonésia, Filipinas etc.

O New York Times deu uma matéria sobre a agitação nas Forças Armadas em torno da ameaça de Trump.

Segue um trecho:

Os principais chefes militares do Pentágono têm muito com que se preocupar – Afeganistão, Rússia, Iraque, Síria, Irã, China, Somália, Península Coreana.

Mas a principal dessas preocupações é se o seu comandante-chefe pode ordenar que as tropas americanas caiam no caos em torno das próximas eleições.

Na quarta-feira, Trump mais uma vez se recusou a se comprometer com uma transferência pacífica de poder, independentemente de quem vencesse as eleições.

Na quinta-feira, ele repetiu que não tinha certeza se a eleição poderia ser “honesta”. Sua proteção, junto com seu desejo expresso em junho de invocar a Lei de Insurreição de 1807 para enviar tropas ativas às ruas americanas para reprimir os protestos pela morte de George Floyd, causou profunda preocupação entre os militares e líderes do Departamento de Defesa, que insistem que eles farão tudo o que puderem para manter as forças armadas fora das eleições.

“Acredito profundamente no princípio de um exército apolítico dos EUA”, disse o general Mark A. Milley, presidente da Junta de Chefes de Estado-Maior, em respostas por escrito a perguntas de legisladores da Câmara divulgadas no mês passado.

“No caso de uma disputa sobre algum aspecto das eleições, por lei, os tribunais dos EUA e o Congresso dos EUA são obrigados a resolver quaisquer disputas, não os militares dos EUA. Não prevejo nenhum papel para as forças armadas dos EUA neste processo. ”

Mas isso não impediu um debate cada vez mais intenso entre os militares sobre seu papel, caso uma eleição disputada levasse a agitação civil.

Em 11 de agosto, John Nagl e Paul Yingling, ambos oficiais do Exército aposentados e veteranos da guerra do Iraque, publicaram uma carta aberta ao general Milley no site Defense One.

“Em alguns meses, você terá que escolher entre desafiar um presidente sem lei ou trair seu juramento constitucional”, escreveram eles.

“Se Donald Trump se recusar a deixar o cargo ao término de seu mandato constitucional, os militares dos Estados Unidos devem removê-lo à força, e você deve dar essa ordem.”

Funcionários do Pentágono rapidamente disseram que tal resultado era absurdo. Sob nenhuma circunstância, eles disseram, o presidente do Estado-Maior Conjunto enviaria SEALs ou fuzileiros navais para retirar Trump da Casa Branca.

Se necessário, tal tarefa, disseram funcionários do Departamento de Defesa, cairia para policiais federais ou o Serviço Secreto.

Os militares, por lei, disseram as autoridades, fazem um voto à Constituição, não ao presidente, e esse voto significa que o comandante-chefe das Forças Armadas é aquele que faz o juramento às 12:01. no Dia da Inauguração.

Mas os líderes seniores do Pentágono, falando sob condição de anonimato, reconheceram que estavam conversando entre si sobre o que fazer se Trump, que ainda será presidente do dia da eleição ao dia da posse, invocar o Ato de Insurreição e tentar enviar tropas nas ruas, como ele ameaçou fazer durante os protestos contra a brutalidade policial e o racismo sistêmico.

Tanto o general Milley quanto o secretário de Defesa Mark T. Esper se opuseram à medida na época, e Trump recuou.

As preocupações não são infundadas. A Insurrection Act, uma lei de dois séculos, permite que um presidente envie tropas militares na ativa para conter os distúrbios por causa das objeções dos governadores.

Trump, que se refere às forças armadas como “meus militares” e “meus generais”, uniu-os a outros apoiadores como Bikers for Trump, que poderiam oferecer apoio em face da oposição.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!