Os homens desdentados e os homens com cinco estrelas. Por Moisés Mendes

Atualizado em 22 de fevereiro de 2023 às 1:21
Garimpeiros ilegais fogem da Terra Yanomami, em Roraima. (Foto: Reprodução)

São 20 mil os garimpeiros que terão de desocupar áreas dos yanomamis e territórios próximos. Há imagens da fuga dos bandidos em barcos.

São os homens sem dentes mostrados em vídeos sobre o garimpo. São a chinelagem do crime organizado que polui rios e já matou mais de 500 crianças.

Os garimpeiros que fogem da chegada da Polícia Federal são a rafuagem. Os chefes deles não precisam fugir, porque já estão em lugares bem seguros.

O empresário garimpeiro, que recebeu licença de Bolsonaro para destruir áreas indígenas, não anda de barco.

Assim como os chefes do golpe não fogem de nada, porque a caçada aos terroristas dc 8 de janeiro, por eles incentivos, não alcança ainda as lideranças.

O senador Marcos do Val disse que, além dele, de Bolsonaro e do ex-deputado Daniel Silveira, só mais duas pessoas saberiam do golpe que previa antes o grampo de conversas com Alexandre de Moraes.

Na entrevista à Veja, que desencadeou uma sucessão de cinco versões para o caso, Marcos do Val disse que, pelo convite de Silveira para o grampo, as duas pessoas restantes seriam gente de “cinco estrelas”.

Seriam generais, e a especulação mais presente é, claro, a mais óbvia: os homens com cinco estrelas seriam Braga Netto e Augusto Heleno.

Resumindo, temos três personagens bem identificados (Bolsonaro, Silveira e Do Val) e dois ocultos. Os encobertos são certamente os mais importantes para que o plano desse certo. Os homens que somavam 10 estrelas.

As expectativas do Brasil hoje são essas em relação aos garimpeiros e ao golpe. Enquanto os homens sem dentes escapam, não se sabe quando o sistema de Justiça chegará aos homens com dentes.

Na área do golpismo, ninguém sabe se finalmente teremos as provas de que chefes militares (mesmo que de pijama) articulavam o golpe com Bolsonaro.

Homens com bons dentes, com poder econômico, com proteção política e com a leniência da Justiça, escapam sempre, e com certa facilidade, sem precisar de barcos.

NÃO ACONTECEU NADA
Completaram-se hoje 40 dias da prisão de Luis Fernando Camacho, líder da extrema direita boliviana acusado de tentativa de golpe.

Ministério Público e Judiciário demoraram para pegar Camacho, porque diziam que sua prisão provocaria convulsão política na Bolívia.

O fascista continua preso e não aconteceu nada.

A INVEJA DOS CRÍTICOS
Há uma covardia encoberta nas manifestações pretensamente legalistas de muitos dos que fazem restrições ou condenam as ações de Alexandre de Moraes contra o fascismo.

Como se estivéssemos em tempos de normalidade e como se a extrema direita fosse protagonista convencional da política.

Os críticos de Moraes são, não todos, mas a maioria, do mesmo grupo dos homens sem brio, na definição de Gilmar Mendes.

É gente de todas as áreas, principalmente da academia e do meio jurídico, e há também alguns homens sem brio do jornalismo.

Homens sem brio têm inveja da bravura do ministro que salvou a
democracia com as suas decisões.

A democracia brasileira estaria morta e enterrada sem Lula, sem Moraes e sem os nordestinos.

Originalmente publicado por Blog do Moisés Mendes

Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando neste link
Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link