Os jornalistas vão abandonar Bolsonaro? Por Moisés Mendes

Banana para a imprensa

Publicado originalmente no blog do autor

Pela primeira vez os jornalistas deixaram Bolsonaro falando sozinho nesta quarta-feira, ao lado da cerquinha na saída do Alvorada. Foram embora e não participaram da farsa armada com um humorista da extrema direita que fazia propaganda da TV Record.

Pelo relato do repórter Gustavo Uribe na Folha, a decisão de virar as costas e ir embora foi tomada ali, na hora, de improviso.
Se não há uma orientação dos comandos das redações e uma decisão em conjunto de todos os veículos, isso quer dizer que nesta quinta os jornalistas poderão estar lá de novo?

A palhaçada diária acontece com ou sem um palhaço profissional e vem sendo avalizada pela imprensa.

Há quem defenda que a cobertura na cerquinha, com a presença das câmeras da Globo, acaba por expor Bolsonaro. Mas os momentos mais grotescos, divulgados na redes sociais, não são mostrados pela Globo.

Um argumento para ficar e registrar as bobagens é o de que, se um jornalista sair, os outros ficarão. O que sair vai ficar sem a informação, que poderá em algum momento ser a besteira que levará à queda.

Bolsonaro usa as TVs e os jornais para debochar de qualquer situação todas as manhãs, aproveitando uma claque com maioria de mulheres. Hoje, sem saber o que dizer, debochou do crescimento de apenas 1,1% do PIB em 2019. Bolsonaro consegue rir do próprio fracasso e da morte da economia.

Mas o povo adora, porque o sujeito passa autenticidade ao dizer tudo o que pensa. Quem é capaz de vislumbrar uma salvação?

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!