País sofre derrota dupla com a manutenção de Bebianno no Governo. Por José Cássio

Bebianno e Bolsonaro; suspeita de corrupção e ambiente tóxico (Foto: reprodução)

O ex-presidente Fernando Henrique foi ao Twitter na manhã desta sexta para falar sobre os primeiros 45 dias do governo Bolsonaro.

“Início de governo é desordenado”, escreveu. “O atual está abusando”.

Abusando e mais um pouco.

O que Jair Bolsonaro está conseguindo é um fato inédito no mundo: colocar um país inteiro para defender um suspeito de grossa corrupção como o secretário-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno.

Segundo a Folha, Bebianno autorizou o repasse de R$ 250 mil do fundo eleitoral para a candidatura de uma ex-assessora — esta, por sua vez, justificou o uso de parte deste dinheiro com notas fiscais de uma gráfica que seria de fachada.

O secretário-Geral da Presidência também teria autorizado os repasses de R$ 400 mil para uma suposta candidata laranja apoiada pelo atual presidente nacional do PSL e deputado federal por Pernambuco, Luciano Bivar.

Nada disso, porém, incomodou mais a opinião pública e o meio político que a forma atrapalhada e truculenta como o presidente lidou com as denúncias.

Do leito do hospital, tramou com o filho Carlos uma operação Tabajara para fritar o subordinado e forçar a sua demissão.

Bebianno fez como Paulo Preto, em São Paulo, quando o ex-diretor da Dersa se viu abandonado por Serra por conta das denúncias de desvio de recursos da estatal e transferência para a Suíça.

“Não se larga um líder ferido na estrada a troco de nada”, ameaçou o ex operador tucano. “Não cometam esse erro”.

Se funcionou com Paulo Preto, por que haveria de ser diferente com Bebianno?

Bastaram duas ou três ameaças de contar tudo o que sabe para que o capitão da reserva decidisse, entre Carlos, o filho, e o auxiliar, quem seguiria dando as cartas no Planalto.

Bebianno venceu, mas o Brasil perdeu duas vezes.

Porque a manutenção de um suspeito de corrupção dentro do núcleo duro do poder é tão nociva quanto o ambiente tóxico imposto ao país por Bolsonaro e seus filhos.

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!