Paludo cantou a pedra sobre Bolsonaro rifar Flávio: “Podem ir os anéis, mas ficam os dedos”. Por Kiko Nogueira

Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz

A operação contra 24 pessoas ligadas a Flávio Bolsonaro, comandada pelo MP-RJ, se baseia em seis núcleos de investigação. 

As presepadas de Fabrício Queiroz, parentes e pessoas ligadas ao ex-faz-tudo de Flávio é apenas um deles.

Todos os envolvidos são acusados de participar do esquema de “rachadinha” no antigo gabinete do Zero 1 na Assembleia Legislativa do Rio.

Contas bancárias controladas pelo miliciano Adriano da Nóbrega, foragido, foram usadas para abastecer Queiroz.

O amigo de longa data, atualmente no Morumbi, pertinho do Einstein indicou, numa conversa no WhatsApp, que a família tinha pleno conhecimento de que uma das assessoras era casada com Adriano.

Na coletiva desta quinta, dia 19, o presidente lavou as mãos.

“O Brasil é muito maior do que pequenos problemas. Eu falo por mim. Problemas meus podem perguntar que eu respondo. Dos outros, não tenho nada a ver com isso”, falou.

Em seguida, mandou os repórteres procurarem o advogado do meninão.

Pai e rebento se encontraram na véspera e é possível que Jair tenha combinado com o primogênito de ele se sacrificar em nome do projeto.

Quem cantou essa pedra foi o procurador Januário Paludo, o “pai” da Lava Jato (nas palavras de Deltan).

Apareceu em julho em matéria do Intercept.

Nos chats privados datados de dezembro de 2018, Dallagnol especulava sobre o impacto sobre Moro do escândalo Flávio-Queiroz.

Acreditava que o rolo ficaria com o ex-juiz.

Pediu a opinião dos colegas.

“É óbvio o q aconteceu… E agora, José? (…) Seja como for, presidente não vai afastar o filho. E se isso tudo acontecer antes de aparecer vaga no supremo?”

Completou, sobre Bolsonaro: “Agora, o quanto ele vai bancar a pauta Moro Anticorrupcao se o filho dele vai sentir a pauta na pele?”

Paludo cantou a pedra.

“Na pior das hipóteses, Podem ir os anéis (filho e mulher), mas ficam os dedos.”

É isso.

Mais do que um retrato do clã, isso mostra o que é a Lava Jato.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!