VÍDEO – “A gente matou o Galo”: como o iFood acabou com a greve de entregadores

Atualizado em 4 de abril de 2022 às 11:42
Greve de entregadores do iFood
Greve de entregadores do iFood em julho de 2020

Uma reportagem da jornalista Clarissa Levy, da Agência Pública, revela como o aplicativo iFood contratou agências de publicidade para atacar as greves de seus entregadores. As ações criaram perfis falsos em redes sociais e páginas para divulgar fake news. Chegaram até a infiltrar um agente em uma manifestação, numa tentativa de desmobilizar o movimento.

Documentos e relatos indicam que, entre 2020 e 2021, as greves de entregadores foram monitoradas pela agência Benjamim Comunicação e depois pela Social Qi (SQi). A paralisação dos trabalhadores, em julho de 2020, ganhou repercussão nacional na época. O movimento, liderado pelo ativista Paulo Galo, ficou conhecido como “Breque dos Apps”.

Poucas horas depois, o iFood divulgou uma nota em resposta, exibida em canais de televisão. Era apenas o começo da campanha da empresa. Oito dias após a greve, foi criada a página “Não Breca Meu Trampo”, no Facebook. A página se dedicava a diminuir a mobilização, acusando o movimento de “fazer politicagem”. Ainda fez oposição a projetos de lei para regulamentar o trabalho dos entregadores.

Galo foi um dos alvos dos ataques pagos pelo iFood, segundo os documentos. Em um dos vídeos obtidos pela Pública, dois coordenadores da Benjamim Comunicação avaliam o desempenho da página “Não Breca Meu Trampo”. Eles afirmam que a página “cumpriu a missão” de enfraquecer o líder do movimento, que tinha grande popularidade na época. “A gente matou o Galo. O Galo era candidato”, diz Adriana Souza, sócia da agência.

Assista:

LEIA MAIS:

1. Galo diz que matéria sobre ele não saiu na Piauí por pressão do iFood
2. Trabalhadores do iFood, Uber e 99 fazem greves unificadas por melhores condições de trabalho

3. Racismo: “Mandem um entregador branco”, escreve cliente do iFood

iFood contratou outra agência para sabotar greve

Posts no Facebook
Posts no Facebook da página “Garfo na caveira”, de empresa contratada pelo iFood para sabotar greve dos entregadores

Os documentos indicam ainda que, em janeiro de 2021, o iFood contratou outra agência especializada em monitoramento e marketing digital. A SQi entrou como um braço da Benjamim no projeto, passando a administrar a página “Não Breca Meu Trampo”. A empresa também criou outras páginas e usuários falsos no Facebook e Twitter.

O conjunto de temas e formatos das postagens se ampliou com a entrada da SQi. Em 19 de janeiro de 2021, a agência lançou uma nova página, focada em memes: a “Garfo na Caveira” postava piadas com temas de interesse dos entregadores e enaltecia o trabalho de entrega via aplicativos, no Facebook e Instagram.

Com 181 novos posts criados, as páginas “Não Breca Meu Trampo” e “Garfo na Caveira” teriam alcançado 3,16 milhões de pessoas em junho de 2021. A informação consta em um relatório semestral apresentado pela SQi para os clientes.

Leia aqui a reportagem completa da Agência Pública

 

Clique aqui para se inscrever no curso do DCM em parceria com o Instituto Cultiva

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link