Pazuello arrasta o Exército para a sua covardia. Por Fernando Brito

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello durante cerimônia de divulgação do edital de licitação do Complexo Industrial de Biotecnologia em Saúde-CIBS, na Fiocruz.
Tomaz Silva/Agência Brasil

Publicado originalmente no Tijolaço:

O caráter fraco, a incompetência, a desídia, a indiferença ao sofrimento humano e a covardia de Eduardo Pazuello já estão, a esta altura, suficientemente evidentes e materializados em seus atos e omissões. Sobretudo, nos dois últimos que praticou: o expediente sórdido de apelar a uma visivelmente falsa alegação de Covid para adiar o depoimento à CPI e, agora, a autorização para que a Advocacia Geral da União impetre, em seu nome, habeas corpus preventivo, para ficar calado ao, finalmente, aproximar-se o dia de sua oitiva pelos senadores.

O mais constrangedor, agora, é o que ele atira sobre a sua condição de militar e sobre o Exército no qual é um dos altos oficiais.

Ainda que se aceite, com um bom litro d’água para engolir que era uma “missão” e não um arranjo político a sua ida para o cargo de ministro da Saúde, sem qualificação alguma para isso e capacidade político-administrativa grau zero para o momento sanitário difícil em que vivemos, mesmo assim Pazuello é um anão moral.

Primeiro, constrangeu sua arma a não pedir, tanto no exercício do cargo de Ministro quanto depois de suas infeliz passagem por ali, passagem para a reserva. Nem do ponto de vista da carreira – seja do posto, seja dos ganhos – lhe faria algum mal: está no ápice de sua trajetória possível , porque oficiais-intendentes, como ele, não podem ir além das três estrelas de generalato que já tem.

Por mais que se lhe faça a franquia de trajar roupa civil, ele é um fardado, da ativa.

Em seguida, levou o comandante do Exército a afirmar ao presidente do CPI, senador Omar Aziz, que seu subordinado não podia comparecer à audiência por “estar em quarentena” por ter tido contato com oficiais contaminados pelo vírus, mas o que se via ela ele passeando sem máscara nos corredores do Hotel de Trânsito do Exército e recebendo ministros para “combinar” o depoimento. Agora, com o pedido de HC, que torna evidente que tudo não passava de uma manobra, deixa seu comandante numa situação para lá de canhestra, por ter se tornado, mesmo provavelmente não querendo, cúmplice de uma fraude.

O pior, porém, é o fedor nauseante da covardia, que fez o próprio vice-presidente e também general Hamilton Mourão dizer que ele “não pode se furtar a comparecer e prestar lá seu depoimento”.

Porque o general poderá ganhar o direito ao silêncio, mas não o direito de não comparecer e muito menos o de escapar de repetir que “tem o direito de ficar calado” e, a cada uma destas ser acusado de covarde, fujão, medroso e a receber o desafio à sua própria presumível condição de oficial combatente.

E se responder às perguntas da minguada “tropa de choque” do bolsonarismo na CPI e calar-se perante os outros senadores vai escapar de ser chamado de “trigrão e tchuchuca” dependendo de quem fala com ele vai reclamar que um general do Exército.

Por isso, a covardia de Pazuello não é a rendição de um indivíduo: é a exposição de seus companheiros de farda e de posto.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!