Pedro Cardoso sobre Regina Duarte, nova secretária: “pouco importa quem Messias escolha para executar a não-cultura”

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM
Pedro Cardoso

Publicado originalmente no Instagram do autor

POR PEDRO CARDOSO, ator

Bom dia.

Sobre o nazifascismo de Messias e Regina Duarte.

A mim pouco me importa quem Messias escolha para executar o projeto de não-cultura dele. Seja quem for, será sempre o projeto dele.

Regina, caso venha a ser, fará o quê? Algo diferente do que Messias quer? Se tentar, ele a dispensará. Se a mantiver, será por ela estar executando a equalização autoritária moralizante da produção cultural. Regina, ou qualquer Alvin, não é ninguém q possa fazer diferença.

Ela irá apenas emprestar a sua biografia e fama para dar ares de maior simpatia ao cargo que o desastrado anterior maculou. Talvez Regina não xingue Fernanda Montenegro mas sua educação não a elevará a cima do pecado de servir ao nazifascismo. Não é possível negociar com quem traz como argumento a tortura, a ditadura e o moralismo. Mas não somos nós, os artistas, uma pessoa só. Somos muitos diferentes e temos visões de mundo diversas.

Haverá entre nós os que queiram negociar com esta administração aceitando Regina como uma interlocutora confiável. Eu não serei um deles.

Primeiro porque ninguém a serviço de uma tirania é confiável; e depois porque o nazifascismo não pode ser aceito como algo que possa existir. A minha oposição aos intolerantes é total uma vez que a deles a todos os outros tb o é. As categorias profissionais ambicionam apoios públicos. Todas! Essa é uma das nossas desgraças. Os artistas que se sentarem à mesa com algum representante de Messias o farão por interesse próprio e não em atenção a cultura. Nem todos somos de esquerda mas os melhores de nós o são, de alguma tendência. A beleza e a justiça social são a mesma coisa.

Não há como cultivar a beleza sem desejar a justiça social pois o sofrimento é sempre feio. Mas Leni Riefenstahl realizou O Triunfo da Vontade para Hitler. Dizem que ela era uma grande artista. Há gostos e público para tudo, até para a morte. Eu fico com John Lennon e a vontade de viver que ele me provoca.

Quem quiser se fartar com artistas de direita, que se divirta com a graça que vê na chatice sentimental deles; e que tenha a coerência de não consumir arte marxista, como a de John Lennon e Yoko Ono, por exemplo. Nós artistas não todos somos o mesmo.

Presidente Jair Bolsonaro durante encontro com Regina Duarte – Carolina Antunes/PR/Divulgação

View this post on Instagram

Bom dia. Sobre o nazifascismo de Messias e Regina Duarte. A mim pouco me importa quem Messias escolha para executar o projeto de não-cultura dele. Seja quem for, será sempre o projeto dele. Regina, caso venha a ser, fará o quê? Algo diferente do que Messias quer? Se tentar, ele a dispensará. Se a mantiver, será por ela estar executando a equalização autoritária moralizante da produção cultural. Regina, ou qualquer Alvin, não é ninguém q possa fazer diferença. Ela irá apenas emprestar a sua biografia e fama para dar ares de maior simpatia ao cargo que o desastrado anterior maculou. Talvez Regina não xingue Fernanda Montenegro mas sua educação não a elevará a cima do pecado de servir ao nazifascismo. Não é possível negociar com quem traz como argumento a tortura, a ditadura e o moralismo. Mas não somos nós, os artistas, uma pessoa só. Somos muitos diferentes e temos visões de mundo diversas. Haverá entre nós os que queiram negociar com esta administração aceitando Regina como uma interlocutora confiável. Eu não serei um deles. Primeiro porque ninguém a serviço de uma tirania é confiável; e depois porque o nazifascismo não pode ser aceito como algo que possa existir. A minha oposição aos intolerantes é total uma vez que a deles a todos os outros tb o é. As categorias profissionais ambicionam apoios públicos. Todas! Essa é uma das nossas desgraças. Os artistas que se sentarem à mesa com algum representante de Messias o farão por interesse próprio e não em atenção a cultura. Nem todos somos de esquerda mas os melhores de nós o são, de alguma tendência. A beleza e a justiça social são a mesma coisa. Não há como cultivar a beleza sem desejar a justiça social pois o sofrimento é sempre feio. Mas Leni Riefenstahl realizou O Triunfo da Vontade para Hitler. Dizem que ela era uma grande artista. Há gostos e público para tudo, até para a morte. Eu fico com John Lennon e a vontade de viver que ele me provoca. Quem quiser se fartar com artistas de direita, que se divirta com a graça que vê na chatice sentimental deles; e que tenha a coerência de não consumir arte marxista, como a de John Lennon e Yoko Ono, por exemplo. Nós artistas não todos somos o mesmo.

A post shared by Pedro Cardoso (@pedrocardosoeumesmo) on

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!