Pesquisa mostra que direita perdeu e esquerda ganhou votos em Israel depois da visita de Bolsonaro

Bolsonaro e Netanyahu no Muro das Lamentações em Jerusalém

Na primeira pesquisa realizada em Israel depois da visita de Bolsonaro, o partido de Benjamin Netanyahu, o  Likud, perdeu uma cadeira no parlamento de acordo com pesquisa de intenção de voto. A pesquisa é da Project HaMidgam/Statnet/Channel 13.

Considerando todo o bloco de direita que sustenta politicamente o atual primeiro-ministro,  queda foi de duas cadeiras. No entanto, a direita continua com maioria, de acordo com a pesquisa – 62 contra 58.

A diferença, no entanto, diminuiu.

Pesquisa realizada em 28/03 (antes da visita de Bolsonaro) mostrava o Likud com 30 cadeiras e o bloco de direita somado com 64.

O Azul e Branco, partido do opositor Benny Ganz, aparecia nesta mesma pesquisa com 30 cadeiras e o bloco de centro-esquerda somado, com 56.

Na pesquisa de ontem, depois da chegada de Bolsonaro, o Likud (Benjamin Netanyahu) tinha 29 cadeiras e todo o bloco de direita, 62.

O Azul e Branco (Benny Ganz) aparecia com 28 cadeiras e todo o bloco de centro-esquerda somado, 58 cadeiras.

O partido que mais ganhou posições foi o tradicional Trabalhista, de esquerda (social-democrata), com mais quatro cadeiras (de 10 para 14), entre uma pesquisa e outra.

A eleição em Israel está marcada para 9 de abril.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!