Plebiscito sobre nova Constituição no Chile termina com clima de esperança

Plebiscito realizado neste domingo (25) no Chile é fruto da massiva mobilização popular realizada em outubro de 2019 – Reprodução

Publicado originalmente pelo Brasil de Fato:

O plebiscito sobre uma nova Constituição no Chile se encerrou às 20h deste domingo (25). A jornada, que durou 12 horas devido às medidas sanitárias para evitar o contágio de covid-19, contou com uma alta participação da população, conforme se esperava.

Após o fechamento das urnas, nas quais os participantes votaram se aprovam ou não o processo constituinte para elaboração de uma nova Carta Magna, espera-se que os primeiros resultados sejam divulgados a partir das 21h15 de hoje.

O resultado parcial do plebiscito que, até agora, conta somente com a apuração dos votos no exterior, aponta que 87% dos chilenos querem uma nova Constituição, segundo o Observatório Político Eleitoral da Universidade Diego Portales (UDP).

Este domingo esteve marcado pelo espírito insurgente das revoltas que aconteceram no país em outubro de 2019, nas quais o plebiscito aparecia como uma das principais reivindicações dos manifestantes.

Por se tratar de uma vitória popular, os apoiadores de uma nova Constituição, que substitua a atual, herdada da ditadura Pinochet, se concentram nas ruas para esperar o resultado da votação e expressam esperança e alegria.

O clima de celebração popular contrasta com a repressão empreendida pelos Carabineros, como é chamada a Polícia Militar chilena. A violência militar já havia marcado os protestos desde o ano passado, cujo um dos casos mais emblemáticos foi o de um garoto empurrado da ponte por um policial em outubro deste ano, também deu as caras ao final deste dia histórico.

Faltando duas horas para o fim da jornada, os Carabineros reprimiram os manifestantes concentrados na Praça Itália, rebatizada pelos protagonistas da revolta sociais como Praça Dignidade, no centro de Santiago (capital do Chile). Os vídeos divulgados pela teleSUR mostram os Carabineros disparando jatos de água nos manifestantes.

Apesar da repressão localizada, as manifestações não foram dispersadas e continuam crescendo. Em entrevista concedida ao portal argentino Marcha Notícias, a cantora chilena Camila Moreno comenta o significado do plebiscito após os protestos de 2019 e a dimensão histórica da data.

“O plebiscito me deixou muito emocionada, sei que vamos ganhar, confio nas pessoas. Este é um primeiro passo para ter um país mais justo e é o início de uma grande trabalho porque, a partir de agora, todos e todas seremos parte da construção de um país mais digno, disse a cantora.

Acompanhe, no Brasil de Fato, os resultados parciais desta jornada.

O que vem depois do plebiscito?

Na votação realizada neste domingo (25), os participantes do plebiscito também decidiram como a nova Carta Magna deve ser redigida, caso a opção “aprovo” ganhe a votação.

No caso de uma vitória da aprovação da nova Constituição, como indicam as pesquisas, o próximo passo será a eleição dos representantes da Comissão Constitucional, programada para abril de 2021.

No caso de uma convenção mista, na eleição de abril, serão eleitos 86 integrantes pelo voto popular e o restante da comissão estaria conformada por parlamentares designados pelo Congresso. Atualmente, a coalizão governista, de centro-direita, tem maioria no Congresso do país.

Já um resultado favorável a um Comissão Constitucional totalmente nova, a eleição do próximo ano deve definir os 155 representantes desta.

Caso a opção “Rechaço” seja a vencedora do plebiscito de hoje, a atual Constituição do país seguirá vigente e ficará a cargo do Congresso criar uma comissão de reformas constitucionais.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!