Popularidade do governo em corrosão. Por Helena Chagas

Jair Bolsonaro. Foto: CARL DE SOUZA/AFP

PUBLICADO NO DIVERGENTES

POR HELENA CHAGAS

Anda rarefeito o índice de esperança por metro quadrado no país. Nada menos do que 68,1% das pessoas acham que a situação do emprego no país vai piorar nos próximos seis meses, contra 15,1% que acreditam que vai melhorar, segundo pesquisa CNT/MDA divulgada hoje. Em janeiro, os esperançosos batiam os pessimistas por 43% a 19%, segundo pesquisa CNT/MDA divulgada hoje. Também as expectativas dos entrevistados em relação à própria renda mensal vai nessa linha – só 8,8 % acham que vai melhorar, enquanto 46,7% acham que vai diminuir -, assim como as previsões em relação a temas como saúde e educação.

Em todos esses quesitos, as perspectivas do governo e das políticas públicas de Jair Bolsonaro levaram um tombo de janeiro para cá, e explicam a redução significativa na popularidade do presidente da República. O índice de avaliação negativa (ruim e péssimo) do governo Bolsonaro cresceu 12 p.p., de 31% em janeiro para 43% em maio. A aprovação (bom e ótimo), estranhamente, caiu apenas de 35% para 32%, apontando que Bolsonaro ainda conservaria aquele núcleo de apoio para quem, a rigor, governa desde que assumiu.

Não se sabe por quanto tempo Bolsonaro conservará seu núcleo fiel, mas há indicações claras de que o quadro continua se movimentando, e não é a favor de Bolsonaro. O  número dos que consideram o governo regular caiu de 32% para 23%, uma redução significativa, que muitas vezes prenuncia a migração de opiniões de quem antes considerava o governo bom mas ainda quer lhe dar uma chance antes de opinar que ele é ruim ou péssimo.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!