Por incompetência, Ernesto Araújo pode ser o próximo a ser demitido. Por Ivanir José Bortot

Ernesto Araújo, chanceler de Bolsonaro

Publicado originalmente em Os Divergentes:

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, se colocou na linha de tiro do Presidente Jair Bolsonaro que, como tem dito o Porta-voz do Planalto, Rêgo Barros, “é muito bom de pontaria”.

A demissão do Presidente da Agência Brasileira de Promoções de Exportação e Investimentos (Apex), o embaixador Mário Vilalva, e o afastamento do embaixador, Sergio Amaral, da Embaixada de Washington, feitas nesta semana por Ernesto Araújo, contribuiu para lhe colocar nesta posição indesejada.

A insatisfação com o desempenho de Ernesto Araújo envolve outras trapalhadas, algumas que acabaram prejudicando o próprio presidente da República em suas viagens ao exterior e outros o desempenho do próprio Itamaraty.

No primeiro caso, a mais emblemática falha de Ernesto Araújo, que afetou o desempenho de Bolsonaro, foi na sua viagem ao Chile. O Itamaraty não brifou e preparou as intervenções de Jair Bolsonaro na reunião da cúpula do Prosul, com presidentes de diversos outros países. As falas de Bolsonaro não tinham foco, informações e dados, o que acabou o deixando mal na foto diante dos demais presidentes da República em reuniões reservadas.

O embaixador Sérgio Amaral, tido como pessoa competente por militares do Planalto para ficar em Washington, vai cuidar de um escritório em São Paulo. A mesma sorte não tiveram outros embaixadores que foram destituídos de seus postos no exterior e hoje são obrigados a dar expediente em uma sala do Itamaraty, onde nada têm a fazer.

Neste caso é no mínimo um desperdício de recursos públicos e experiência profissional de um País que está cortando na carne para equilibrar suas contas.

A única atuação diplomática de impacto econômico esta semana, não teve o protagonismo do Itamaraty. O jantar do Presidente Jair Bolsonaro com 37 embaixadores Islâmicos de países importadores de alimentos do Brasil foi organizado pela Confederação Nacional da Agricultura e o Ministério da Agricultura. Ambos estão preocupados com o impacto nas exportações do Brasil em função dos acordos feitos com Israel. As palavra de diálogo e manifestação de confiança nas relações de comércio foram de Bolsonaro e Tereza Cristina. Chamou a atenção dos embaixadores Islâmicos que o ministro Ernesto Araújo não disse uma só palavra.

Apesar de inúmeros alertas da área militar do Planalto de que falta a Ernesto Araújo as atribuições para bem representar o Itamaraty e cuidar dos negócios do Brasil no exterior, informações de fontes do Planalto são de que Bolsonaro só ainda não apertou o gatilho por atender a apelo de seus filhos.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!