Por que diabos Temer está comemorando o Datafolha? Por Paulo Nogueira

Rindo do quê?
Rindo do quê?

É assim que se produz o “jornalismo de guerra”, para usar a expressão com a qual o editor do Clarín definiu o trabalho com que seu jornal sabotou sistematicamente Cristina Kirchner.

Aparece um DataFolha devastador para Temer, uma pesquisa que deveria levar senadores não comprometidos com o golpe a refletir seriamente sobre a votação que vai definir o impeachment.

Vejamos.

1) Apenas 14% dos ouvidos aprovam Temer. É a miséria da miséria, uma percentagem de fim de administração em crise, mas não de um alegado início de “governo de salvação nacional”.

2) Um terço das pessoas sequer sabe o nome de quem está na presidência. Isto dá o tamanho da insignificância de Temer.

3) Metade dos brasileiros quer Temer fora já, ou mediante a volta de Dilma ou por um plebiscito.

Mesmo assim, você lê nos colunistas ligados a Temer que ele está comemorando o Datafolha.

Comemorando o quê?

O único ponto realmente favorável a Temer foi a edição fantasiosa que a Folha deu à pesquisa, o que acabou por dar o tom para os demais jornais.

“Metade dos pesquisados prefere Temer a Dilma” foi o destaque da Folha e do resto da mídia.

O colunista do Globo Ricardo Noblat, a partir disso, decretou que os brasileiros preferem Temer a Dilma. (Noblat é um dos mais fanáticos soldados do jornalismo de guerra imposto pelos donos da mídia.)

Foi exatamente aquela licença poética que Temer acabou por adotar e festejar, como noticiou hoje outro colunista do Globo, Ilimar Franco.

Mas é uma festa de mentirinha, feita para enganar analfabetos políticos e senadores indecisos.

Por mais ginástica que se faça com os números do Datafolha, o resultado para Temer é uma tragédia.

Quanto mudaram as coisas desde a saída de Dilma é claro. Pouco antes do golpe, o Globo deu uma manchete na qual afirmava que o placar da vontade popular, com base em manifestações, era 93% pelo impeachment versus 7% contra.

Foi uma das etapas mais baixas do jornalismo de guerra dos irmãos Marinhos, que com o pai Roberto aprenderam a fazer qualquer coisa pela manutenção de suas mamatas e privilégios à base de dinheiro público.

Temer joga tanta desesperança sobre os brasileiros que, às vésperas de uma Olimpíada que deveria trazer celebração e otimismo, o ambiente é de melancolia profunda. O Datafolha diz que metade dos brasileiros é contra os jogos.

Escrevi em outro texto: é a temerite, doença derivada de Temer que espalha desalento e depressão.

O Brasil está com temerite aguda.

Temer não tem por que festejar nada — por mais que a imprensa amiga, com seu jornalismo de guerra, finja que tem.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!