Por que é necessário punir a agitação bolsonarista? Por Luis Felipe Miguel

Atualizado em 16 de dezembro de 2022 às 11:47
Bolsonarirstas em ato golpista.
Foto: Reprodução/Redes Sociais/PT

As manifestações da extrema-direita extrapolam a legalidade. Não é só o objetivo – impedir a posse do governo eleito, promover um golpe militar.

Os métodos dos bolsonaristas são criminosos, até terroristas: depredação, intimidação, agressão a civis, ameaças à integridade física de pessoas.

A impunidade do golpismo reforça a ideia de que a disputa política no Brasil hoje é um vale-tudo, incentiva a continuidade da violência política e mantém elevada a tensão política e reduz a autoridade do novo governo, legitimamente eleito.

São muitos os que precisam responder pelos atos de terror:

  • A massa de manobra ensandecida acampada na frente de quartéis e fazendo barreiras em rodovias.
  • Seus financiadores, de grandes e pequenos grupos empresariais.
  • Os influenciadores digitais que produzem as narrativas falsas que legitimam a arruaça.
  • O núcleo no Palácio do Planalto que incentiva tudo com suas mensagens (pouco) cifradas.

É a reconstrução da democracia que está em jogo.

A democracia nasce, como dizia Claude Lefort, do reconhecimento da legitimidade do conflito. Ou seja, é necessário aceitar a presença do adversário – e mesmo a possibilidade de que ele vença.

Ao construir sua narrativa de “o bem contra o mal”, fazendo do combate a Lula e ao PT uma guerra santa, o bolsonarismo mostra que é incompatível com a convivência democrática.

Punir os terroristas antidemocráticos demarca o que pode e o que não pode na política.

E, assim, é um poderoso incentivo para que as lideranças que aderiram a Bolsonaro não por fanatismo, mas por oportunismo, refaçam seus cálculos.

Originalmente publicado no FACEBOOK do autor

Participe de nosso grupo no WhatsApp, clique neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link