Por que ler Sêneca

A morte de Sêneca, por Rubens
A morte de Sêneca, por Rubens

Conheci Sêneca pelo tio de meu amigo Fabio Hernandez. Era o filósofo predileto do homem sábio do interior, como Fabio descreve seu tio. Gostei das citações e fui ler mais. Apaixonei-me. Nunca tinha visto uma combinação tão sublime de forma e conteúdo: palavras inteligentes escritas com beleza. Logo entendi por que Montaigne, o filósofo francês que ressuscitou o estoicismo em seus clássicos Ensaios, disse que sem Sêneca seu livro seria uma sucessão de páginas em branco. Montaigne dedicou a Sêneca um capítulo comovedor, defendendo-o dos que afirmaram que ele não viveu como pregava em seus escritos.

Sêneca (4 a.C. – 65 d.C.) foi preceptor de Nero. No início do império deste, antes que degenerasse numa tirania sangrenta, Sêneca teve influência poderosamente positiva na vida romana. A seguir ele foi engolfado pelo que descreveu magistralmente como “perpétuo vai-e-vem de elevações e quedas”. A queda final veio com uma ordem do antigo discípulo para que se matasse. Sêneca, que escrevera com freqüência sobre a beleza serena e corajosa da morte de figuras como Sócrates e Catão, suicidou-se com uma bravura que nem seus inimigos ousaram negar. Como Sócrates, ele dedicou seus últimos momentos a dar ânimo aos amigos desesperados que o cercavam. Se é discutível se ele viveu como pregou, é inegável que na morte foi inteiramente fiel aos próprios preceitos.

Sêneca deve ser lido e relido aos poucos, com vagar. Na cama, sob um abajur, suas palavras confortam e podem trazer calor e luz em horas escuras e frias. Tenho sempre a meu lado o ensaio “Da Tranqüilidade da Alma”, parte de um volume da coleção Os pensadores, da Editora Abril. O grande teste dos escritos é sobreviver ao tempo. Sêneca é intensamente atual. Ele escreveu há quase 2 mil anos e, no entanto, suas sentenças tem um frescor que ao mesmo tempo inspira e arrebata.

No ensaio citado, admiro, particularmente, as reflexões sobre o estado de agitação em que parecemos estar condenados a viver. Sêneca começa por citar Demócrito, o filósofo grego que diante da miséria humana optava por rir em vez de chorar: “Quem quer viver com a alma tranqüila não deve ter muitas ocupações”. Num mundo em que as pessoas a um só tempo teclam no computador, falam ao telefone e comem sanduíche, eis uma frase que merece estudo. Estamos sempre estressados e, no entanto, quando paramos para ver quantas de nossas ações são realmente úteis e imperiosas, a resposta pode ser: poucas. Muitas vezes, nenhuma.

Sêneca tem uma definição espirituosa para as pessoas que estão sempre mendigando ocupações: “preguiça agitada”. As atividades inúteis a que nos entregamos, diz, lembram “as idas e vindas das formigas ao longo das árvores, quando elas sobem ao alto do troco e tornam a descer, para nada”. Muitas vezes, confesso, subo e desço meus troncos de árvores apenas pela dificuldade de ficar parado. Quando me vejo como uma formiga, ler Sêneca é igual a um beliscão. Não raro, a prova maior de sabedoria que podemos dar não está num ato majestoso ou numa locução eloqüente, mas sim em não fazer nada.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!