Por que nosso colunista inglês decidiu apostar no Corinthians contra o Chelsea

O Timão de Romarinho poderia fazer bonito na Premier League, segundo o jornalista Scott Moore
 

Melhor que Torres, do Chelsea

Ladies & Gentlemen:

Peguei este final de semana para me decidir onde colocar 500 libras na Ladbrokes, casa de apostas aqui pertinho de onde moro. O Corinthians, do Boss, ou o Chelsea, de minha mulher Chrissie, que não sei se já disse discorda de mim em tudo. Me refiro, obviamente, à disputa no final do ano pelo título mundial de clubes.

Vi os dois times jogarem, o Corinthians pela televisão e o Chelsea ao vivo, no Stamford Bridge, contra o abominável Manchester United, que nós, do City, detestamos sobre todas as coisas, incluído aí os caciques do Partido Conservador, que chamam ingleses humildes de “plebeus”.

O Corinthians venceu o bom Vasco, apesar dos erros do juiz, que, entre outras coisas, deixou de marcar um pênalti claro no jovem craque Romarinho. O Chelsea, no meio de cuja torcida me enfiei, apanhou em casa.

Isso em si já seria uma razão quase científica para que o destino de minhas libras fosse o Corinthians.

Mas houve mais que isso. Vi no Corinthians uma equipe entrosada, compacta, bem articulada. O Chelsea, ao contrário, se remonta depois de ter sido desconstruído.

A perda de Drogba tirou o poder matador do time. Torres, o caro centroavante espanhol que custou 50 milhões de libras ao Chelsea, é o avesso de Drogba. É um jogador desajeitado, sem confiança, grosso, e ao mesmo tempo uma nulidade estatística: em 90 jogos pelos Blues, fez 17 gols.

Na defesa do Chelsea, temos um brasileiro que adora entregar gols aos adversários, David Luiz, e um veterano zagueiro que está completamente desmoralizado depois de ter sido considerado culpado de racismo em campo pela Federação Inglesa, John Terry.

Ramirez e Oscar, os dois brasileiros do meio de campo, e também do escrete verde-amarelo, dão, somados, um bom jogador. Cada um vale 50%.

Não há, no Corinthians, um craque da envergadura de Neymar, do meu Santos de Pelé. Romarinho pode ir muito longe, mas ainda não foi. Douglas é um armador talentoso, mas tem que perder a barriga e correr mais. Com todas as ressalvas, não existem no Corinthians pontos fracos como os do Chelsea, e falo sobretudo de Torres e de Terry.

Os brasileiros se autodepreciam, sei bem. Mas a verdade é que o Corinthians poderia disputar a Premier League em condições de ser campeão, e não falo isso apenas para agradar o Boss, ainda que saiba que ele vai sorrir.

Ladies & Gentlemen: agora chega porque vou à Ladbroks pôr minhas 500 libras no Corinthians.

Sincerely.

Scott

Tradução: Erika Kazumi Nakamura

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!

Compartilhar
Artigo anterior“Como eu anunciei ao mundo a morte de Deng Xiaoping”
Próximo artigoMinha experiência com os índios guarani-caiovás
Avatar
Aos 53 anos, o jornalista inglês Scott Moore passou toda a sua vida adulta amargurado com o jejum do Manchester City, seu amado time, na Premier League. Para piorar o ressentimento, ele ainda precisou assistir ao rival United conquistando 12 títulos neste período de seca. Revigorado com a vitória dos Blues nesta temporada, depois de 44 anos na fila, Scott voltou a acreditar no futebol e agora traz sua paixão às páginas do Diário.