Por que você deveria estar no Pheed

Esta nova rede social está ganhando adeptos rapidamente e vem sendo muito elogiada por seus usuários.

201604v2

Misture o Facebook com o Twitter, coloque uma pitada de Google +, um punhado de Instagram, um pouco de criatividade e você terá o Pheed. A ideia é ser um microblog on steroids, que vai bem além dos 140 caracteres. Na verdade ele não se limita apenas a texto; lá conseguimos postar também áudio, fotos e vídeos.

Como podemos publicar em todas essas modalidades, também é possível escolher o que queremos ver na nossa home. Cada botão no superior da página serve para filtrar nossas preferências em termos de mídia.

Em cada Pheed que é postado, temos algumas opções para interagir. Como dar um coração, algo tipo o like no Facebook. Não gostou? Temos um coração quebrado, também, o unlike que sentimos tanta falta na rede de Mark Zuckereberg. Até mesmo podemos ter favoritos. O Retweet foi substituído pela palavra remix; o Share permite que compartilhemos aquele post nas outras redes sociais.

O seu aplicativo para iOS é bem completo. Toda a funcionalidade da versão pra navegadores está presente para o smartphone, além de ser muito bem feito e rodar suavemente até no iPhone mais antigo.

Acho que a maior diferença está na monetização. De inicio podemos escolher entre ser um usuário Free ou um Premium. A diferença entre os dois é simples. Na segunda opção podemos escolher quanto cada um paga por ter acesso a seus posts por 30 dias. Os preços variam entre $2 e $6, sendo que metade do dinheiro vai para o Pheed. Mas porque alguém pagaria para ver seus posts? Acho que isso só funcionaria para um artista famoso. Pessoas pagariam para ter acesso a um material exclusivo, como shows, fotos de bastidores e músicas para ouvir diretamente de sua home.

A grande maioria das pessoas não vai pagar e muito menos receber nessa rede social. O grande barato está em divulgar coisas ao maior número de pessoas. E isso ele faz muito bem. Uma grande sacada é poder copyright seus Pheed’s. Assim ninguém irá poder roubar sua ideia. Ela pertence somente a você.

O que achei interessante é que os criadores do Pheed não estão virando as costas para o Facebook e Twitter, já que podemos criar nossa conta através deles. É uma estratégia ousada; ele não faz com que escolhemos entre um outro, podemos ter todos eles ao mesmo tempo. Como a maioria de nós já faz, de qualquer jeito. O sangue de uma rede social são seus usuários. Então o mais interessante do fazer parte do Facebook é saber que todos os seus amigos estão ali e poder ver o post de cada um deles. Quanto mais gente é adepta  ao site, mais bacana ele fica, obviamente.

Como o Pheed ainda está no começo, nenhum dos meus amigos faz parte dele. Enquanto isso preciso me contentar em seguir a NASA e um fotografo com um sobrenome parecido com o meu: Dustin Cohen.

Acredito que a rede tem tudo para crescer e um dia, poder encarar o Facebook ou o Twitter de frente. Mas isso ainda está longe. A ideia é boa e bem realizada. Precisamos somente que nossos amigos se interessem também e façam uma conta nessa nova rede social multimídia. @PedroCohn

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

Compartilhar
Artigo anteriorO poder da religião na política brasileira
Próximo artigoAs confissões de Casanova
Nosso applemaníaco Pedro Cohn assiste aos eventos de tecnologia como se fossem a final da Copa do Mundo. E diz que, se o Céu não for Wi-Fi, prefere ir para o inferno quando morrer.