‘Pra que a pressa’? Mundo vê recorde de mortes em 1 dia: 15,5 mil. Por Fernando Brito

Imagem: SAULO ANGELO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Originalmente publicado em TIJOLAÇO

Por Fernando Brito

Reino Unido, União Europeia e Estados Unidos estão numa desesperada corrida por vacinal, como única “salvação” para os novos picos de contágio e morte que estão enfrentando.

Ontem, registra aí em cima o gráfico da Universidade John Hopkins, ocorreu o maior número de mortes por Covid 19 desde que a pandemia se iniciou: 15.518 em um dia.

O Reino Unido bateu recorde de infecções diárias: 51 mil, quase um em cada mil britânicos adquirindo a doença em um dia. O NHS, maior sistema público de saúde do mundo, está entrando em colapso, com pacientes sendo atendido dentro de ambulâncias estacionadas diante de hospitais

Os alemães registraram o maior número de óbitos diários, 1.244, o que seria o mesmo que 3 mil num único dia, comparado à nossa população.

É claro que a pressão por devorar toda a produção de vacinas vai se tornar irresistível.

Alguém acha que a “vacina de Oxford”, na hora de destinar-se sua produção, vai dar prioridade ao Brasil com seus vizinhos de bolsos abertos, querendo arrematar o que estiver disponível, pagando até mais?

Tanto que, a toque de caixa e sem resultados completos, liberaram a sua utilização no Reino Unido, que já soma 88 mil mortes (equivalentes a umas 260 mil, aqui).

Se Jair Bolsonaro e Eduardo Pazuello acham que os fabricantes de vacina sairão correndo atrás do “grande mercado que é o Brasil”, que percam as esperanças.

Estamos ficando para o fim da fila.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!