Prata, paz e amor: como Pedro Barros transformou uma praia em Florianópolis em capital do skate

Pedro Barros, referência mundial no skate e medalhista de prata na Olimpíada de Tóquio. Foto: Reprodução

Prata no skate park na Olimpíada de Tóquio, Pedro Barros afirmou que a fraternidade entre skatistas é mais importante que a medalha obtida.

Uma referência no esporte aos 26 anos, ele afirmou, após vencer:

“Essa medalha foi simplesmente um detalhe, um souvenir, essa experiência que a gente leva para a vida é muito maior e muito melhor do que qualquer objeto material. Essa medalha aqui não deixa de ser um objeto material, expectativas que as pessoas criam. Estou aqui como um atleta olímpico, mas estou vivendo como um skatista, um ser humano, cativando coisas maravilhosas e colecionando momentos maravilhosos para a minha vida”.

Filho de cozinheiro em Brasília, teve uma pista de skate construída em terreno no Rio Tavares (praia do sul de Florianópolis), onde passou a receber diversos esportistas da modalidade, como o australiano e atual campeão olímpico Keegan Palmer.

Ele passou alguns dias no local quando era criança.

Com o tempo e o sucesso internacional de Pedro, a cidade virou referência na cena do surfe, skate e cultura.

Antes dos Jogos Olímpicos, ele foi seis vezes campeão do X Games, torneio mais importante do mundo dos esportes radicais.

Com 13 anos iniciou na competição e no ano seguinte, com 14, conquistou a medalha de bronze.

Um ano depois, em 2010, conseguiu o ouro, feito que repetiu cinco vezes entre 2012 e 2016.

Com três pratas, Pedro Barros tem 10 conquistas no pódio do torneio mundial.

Veja a prova que garantiu o segundo lugar ao skatista na Olimpíada de Tóquio: