Preguiçosa, morte do Vídeo Show mostra descaso da TV Globo com a história do programa

Miguel Falabella, apresentador mais duradouro do Vídeo Show, no programa de quarta-feira (9). FOTO: REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Luciano Guaraldo no site Notícias da TV informa que, um dos dez programas mais antigos da Globo, há quase 36 anos no ar, o Vídeo Show merecia um fim mais digno do que a despedida preguiçosa que recebeu nesta sexta-feira (11). Com quadros que nada remeteram à força da atração, o episódio derradeiro pouco fez para honrar a sua trajetória. Transformou o vespertino em um mero rodapé na história da emissora. Não há baixa audiência ou vice-liderança que justifique tamanho descaso. Além do clipe de dois minutos que encerrou a atração, com os melhores momentos do programa, o mais perto de uma homenagem foi a retomada da música-tema, uma versão instrumental de Don’t Stop ‘Til You Get Enough, de Michael Jackson, e a leitura de postagens que ex-apresentadores e atores (como Nathalia Dill e Rainer Cadete) fizeram nas redes sociais. Um erro: a emissora usou imagens do Instagram para recuperar um conteúdo que seu próprio acervo teria disponível.

No conteúdo, nada fora do normal. A primeira matéria mostrou uma invasão da repórter Mônica Salgado à casa de André Marques, que apresentou o Vídeo Show entre 2002 e 2013. Foi a deixa para reexibirem um quadro de 2013 em que o eterno Mocotó e Angélica refizeram a abertura de Brega & Chique (1987).

O programa também promoveu um reencontro entre Klara Castanho e o argentino Mario José Paz, que formaram uma dobradinha de sucesso em Viver a Vida (2009) na pele de Rafaela e Maradona. Já de Caminho das Índias (2009) foram resgatados os ex-atores mirins Karina Ferrari, Laura Barreto e Cadu Paschoal. Houve ainda uma reportagem com Caetano Veloso e seus filhos músicos.

Matheus Massafera recebeu em seu quadro de intimidades a atriz Regiane Alves, no ar em O Tempo Não Para. E Felipe Titto cozinhou com David Júnior, da mesma novela. E Márvio Lúcio, o Carioca, recebeu Micael Borges, também da trama das sete, no Vídeo Fake. Coisas bem triviais, um programa igual a todos os outros.

Deu a impressão de que a equipe apenas aproveitou material de gaveta, que já estava finalizado e pronto para ir ao ar, para preencher a última edição da atração. Um desrespeito aos seus telespectadores ao longo dos anos.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!