Preocupado com os seios das professoras, procurador quer perpetuar cultura do estupro. Por Luís Felipe Miguel

Guilherme Schelb. Foto: Divulgação/Twitter

PUBLICADO ORIGINALMENTE NO FACEBOOK DO AUTOR.

O encontro de procuradores de extrema-direita, que aconteceu anteontem aqui em Brasília, foi um circo de horrores, como previsto.

O que mais me chamou a atenção foi a proposta de Guilherme Schelb, aquele fundamentalista que chegou a ser cotado para o MEC: obrigar as professoras a usar jalecos, para esconder os seios e não distrair os meninos.

Uma burca não seria mais efetiva? E por que só os meninos? O kit gay do PT não estaria fazendo as meninas se interessarem também?

Parece só um delírio de sexopata e uma ofensa às professoras (e aos estudantes), mas é mais grave do que isso. Tem uma ideologia de gênero embutida na ideia. O menino que precisa ser poupado do decote da professora para não se distrair cresce e se torna o adulto que julga que pode estuprar se a vítima está usando “roupas provocantes”.

Discussão sobre gênero e educação sexual nas escolas combatem também a cultura do estupro. Mas o projeto do Escola Sem Partido (sic), que tem em Schelb um destacado arauto, não é combatê-la: é perpetuá-la.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!