Presidente de empresa deixa cargo depois que filha lista coisas que ele perdeu

Publicado na Exame.

Longe dos negócios e perto da filha
Longe dos negócios e perto da filha

Nos Estados Unidos, o presidente da empresa de gestão de investimentos Pimco, Mohamed El-Erian, renunciou ao cargo depois que sua filha pequena lhe entregou um papel que reunia momentos importantes da sua vida que ele havia perdido por conta do trabalho.

Ele compartilhou a decisão em um artigo no site de informações sobre finanças e investimentos Worth.

Conforme contou El-Erian, a menina fez a lista em “protesto”, depois que o pai a advertiu de que não precisava pedir repetidas vezes para que ela fizesse uma tarefa, que ela deveria saber, pelo seu tom de voz, que ele estava falando sério.

Entre os 22 eventos que o executivo havia deixado de compartilhar com a criança estavam atividades como o primeiro dia na escola, a primeira partida de futebol, e uma reunião entre pais e professores para o desfile de Halloween.

“Eu me senti péssimo e fiquei na defensiva: eu tinha uma boa desculpa para cada evento perdido! Viagens, reuniões importantes, uma ligação urgente, tarefas repentinas. Mas eu me dei conta de que estava perdendo uma infinidade de coisas mais importantes. (…) Eu não tinha tempo suficiente para estar próximo dela”, escreveu.

A partir desse alerta, El-Erian decidiu dar uma guinada em sua vida profissional. No começo do ano, ele abriu mão do posto de presidente da Pimco para se dedicar a funções de meio período na empresa, que lhe permitissem trabalhar menos e ter mais flexibilidade para estar com sua filha nos “pequenos momentos”. Ele agora é co-diretor de informática da companhia.

“De longe, essa foi a decisão certa para mim”, garantiu. Ele conta que agora reveza com a esposa nas tarefas de acordar a filha pela manhã, preparar o seu café e levá-la até a escola. O executivo diz que também está se esforçando para buscá-la no colégio e acompanhá-la em suas atividades.

“Ela e eu temos um monte de conversas e compartilhamentos maravilhosos. Nós até planejamos um feriado juntos, só nós dois”, relatou.

O executivo lembra, no artigo, que sabe que nem todo mundo pode “se dar ao luxo” de abrir mão de algumas tarefas para se dedicar à família, mas que espera que as empresas possam dar cada vez mais atenção à questão da qualidade de vida.

“Sou o primeiro a reconhecer que eu sou inacreditavelmente sortudo por poder estruturar minha vida dessa maneira. E eu sou muito grato que isso esteja me concedendo a oportunidade de experimentar momentos decisivos na vida de minha filha antes que todos eles tenham passado”, afirmou.

Em agosto deste ano, Max Schireson também decidiu abandonar o posto de presidente da fornecedora de banco de dados Mongo DB para conseguir estar mais próximo de sua família.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!