Presidente de esquerda do Peru tenta evitar seu impeachment nesta terça

O presidente de esquerda e anti-imperialista, Pedro Castillo. Foto: Divulgação
O presidente de esquerda e anti-imperialista, Pedro Castillo. Foto: Divulgação

O presidente do Peru, Pedro Castillo, do partido Peru Libre, tentará evitar, nesta terça-feira (07), a aprovação do processo de impeachment contra ele no Congresso do país. O pedido de afastamento está sendo orquestrado pela direita peruana, com protagonismo do partido Fuerza Popular, da candidata derrotada nas eleições, Keiko Fujimori, filha do ex-ditador Alberto Fujimori.

Se aberto, este seria o quinto processo de impeachment contra um presidente em cinco anos, no Peru.

Leia mais:

1. PT quer que STF defina parâmetros para acordos de delação premiada

2. Mundo desigual: 1% dos mais ricos detêm 38% de toda a riqueza produzida em 26 anos

3. Bolsonaro acusa FHC de corrupção e diz que ex-presidente comprou a reeleição

Pedro Castillo, que tem uma política anti-imperialista, será afastado da presidência se 87 dos 130 congressistas votarem favoravelmente ao impeachment. O Congresso peruano é unicameral.

O pedido de impedimento menciona “incapacidade moral” de Castillo, por ele não ter explicado reuniões supostamente irregulares que fez fora do palácio do governo e que não constaram na agenda oficial. Ele se defenderá em sessão extraordinária do Congresso, nesta terça-feira (07), e já chamou o processo de “moção sem respaldo e com absoluta irresponsabilidade”.

O partido de ultradireita de Keiko Fujimori tem 43 votos, o que seria insuficiente para o afastamento. No entanto, nos últimos dias, Pedro Castillo tentou conversar com outros líderes da oposição para articular sua defesa e todos se recusaram a recebê-lo.

O Peru passou por quatro processos de impeachment nos últimos anos, incluindo dois afastamentos de presidentes: Kuczynski, em 2018, e Vizcarra, em 2020.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link