Sob Bolsonaro, Prevent Senior viu faturamento crescer 72% e fechou plano para Forças Armadas

Prevent Senior
Fachada da Prevent Senior. Foto: Divulgação

Alvo da CPI, o Prevent Senior viu seu faturamento crescer durante o governo Bolsonaro. Coincidentemente, a empresa fechou contrato com as Forças Armadas. De 2017 a 2020, a rede de plano de saúde cresceu 72%.

Segundo dados obtidos pelo DCM, a empresa faturou em 2017 cerca de 2,5 bilhões. Uma alta quantia e que a deixava como uma das maiores do setor. Em 2018, a evolução de receita foi de 23%. No ano seguinte, esse crescimento foi de 22%.

Já em 2020, o percentual de aumento foi de 18%. Isto porque o faturamento da Prevent Senior foi de 4,3 bilhões. Nesta época, o acordo com as Forças Armadas tinha sido fechado.

Em agosto de 2020, por exemplo, Associação Abrigo do Marinheiro fez o anúncio. Eles disseram que a instituição “amplia opções de planos de saúde à Família Naval”.

“Hoje estamos firmando a parceria com o Abrigo do Marinheiro com o intuito de fornecer a toda Família Naval uma medicina de qualidade. Destacando o público acima de 50 anos, essa é a nossa essência. Estamos muito orgulhosos em assumir uma grande responsabilidade. Que é ter a saúde da Família Naval em mãos, vai ser um grande prazer. Uma grande construção de sentimentos e, principalmente, a segurança que a Família Naval necessita”, falou o Diretor Executivo da Prevent Senior, Dr. Pedro Batista, na época.

Os associados teriam uma cobertura nas cidades do Rio de Janeiro-RJ, São Paulo, Santo André, São Bernardo do Campo e Santos-SP. Depois ocorreria expansão para outros municípios, como Porto Alegre e Brasília.

Leia mais:

1 – Sobrevoos mostram imagens dramáticas da Amazônia e desmentem discurso de Bolsonaro na ONU

2 – “Fez a mãe de cobaia”: Luciano Hang é detonado nas redes por fraude em atestado de óbito da mãe

3 – Bolsonaro pode ser preso caso descumpra isolamento recomendado pela Anvisa na volta dos EUA

Prevent Senior e o outro contrato

Já em 2021, a empresa fez um novo contrato. Desta vez com a ASSOR (Associação dos Oficiais da Reserva Remunerada e Reformados da PMDF e CBMDF). A justificativa da instituição era que a operadora tinha “preços acessíveis”.

“A diretoria da ASSOR, desde que assumiu, tem buscado incessantemente pelas melhores opções na área da saúde”, destacou a entidade.

O plano Brasília 1000 Enfermaria para pessoas acima de 59 anos custava R$ 1.263,74. Já o apartamento, para o mesmo grupo, saltava para R$ 1.762,78. A versão premium ultrapassava a casa dos R$ 2 mil.

Confira abaixo a imagem do demonstrativo financeiro da empresa: