Procura-se assessor de imprensa para o novo governo. Será que precisa? Por Ricardo Kotscho

Alexandre Garcia. Foto: Reprodução/Globo

Publicado originalmente no Balaio do Kotscho

POR RICARDO KOTSCHO

Vivemos num país onde qualquer vereador de província ou dono de restaurante tem hoje um jornalista profissional como assessor de Imprensa.

Jair Bolsonaro, o presidente eleito, ainda não tem e, se depender dos filhos dele, não terá tão cedo, embora não faltem candidatos.

Pensando bem, assessor para quê?, se já tem muitos coleguinhas fazendo esse serviço de graça.

São porta-vozes voluntários do novo governo que fazem a defesa do presidente e publicam press-releases eletrônicos em suas colunas assinadas.

Grupos inteiros da grande mídia, como a Record, o Estadão e a Jovem Pan, já colocaram todas as suas equipes à disposição do presidente eleito.

Por fugir à regra do pensamento único da nova ordem, a Folha tornou-se o alvo predileto de pai presidente e filhos parlamentares.

Em sua edição de segunda-feira, o jornal publicou matéria sobre a comunicação do novo governo e a possível contratação de um assessor de imprensa.

“Se alguém ainda compra a Folha, já pode economizar no papel higiênico”, reagiu nas redes sociais, com a classe de costume, o primogênito Eduardo Bolsonaro.

Ao dividir o país entre amigos e inimigos, quem manda e quem obedece, mesmo antes da posse, Bolsonaro e os três filhos parlamentares delimitaram o campo das relações com a imprensa.

O presidente eleito já tinha ameaçado tirar a publicidade do governo e chegou a decretar a morte da Folha, dias antes da eleição, ao ser denunciado por uso de caixa dois em sua campanha nas redes sociais.

Um relacionamento civilizado, respeitoso e republicano com a imprensa é tão importante quanto a articulação política do governo no Congresso, mas os Bolsonaro já deixaram claro que não pensam assim.

Digo isso com a experiência de quem ocupou este cargo de responsável pelas relações do presidente com a imprensa nos dois primeiros anos do governo Lula (2003-2004).

Não foi fácil, ao contrário. Era uma batalha permanente dos dois lados do balcão da notícia, porque as naturezas, os objetivos e os tempos destes dois poderes são diferentes, por vezes opostos.

Mas as democracias ainda não encontraram uma forma de se relacionar com a sociedade sem a intermediação da imprensa, com a participação de jornalistas profissionais nas funções de assessores e porta-vozes do presidente.

Claro que os governos sempre buscarão profissionais que se identifiquem com suas políticas e sejam capazes de defendê-las, mas há limites éticos a serem respeitados.

Sejam repórteres, de um lado, ou assessores governamentais de outro, todos têm compromisso com a informação correta, porque prestam um serviço, acima de tudo, à sociedade, e não apenas a quem lhes paga o salário.

No Brasil de 2018, misturou tudo. Já não se sabe mais quem é assessor informal do governo ou quem é profissional de uma redação.

Só uma coisa é certa: os dois lados estão se lixando para a sociedade, com raras e honrosas exceções.

Falando geralmente em pé, no improviso do chamado “quebra-queixo” (câmeras e microfones apontados para sua boca), cercado de seguranças e seguidores fiéis, o presidente eleito parece estar sempre contrariado ao dar entrevistas, mesmo que seja para empresas amigas.

Dá a impressão de que ele não deve satisfações a ninguém, e está ali apenas fazendo um favor aos jornalistas, ao falar de qualquer assunto como se estivesse num churrasco de fundo de quintal.

Pode ser sobre a privatização da Petrobras ou a reforma da Previdência, a saída dos médicos cubanos ou a nomeação de mais um ministro, Bolsonaro fala sempre aos trancos, no mesmo tom desafiador empregado pelos seus filhos nas redes sociais.

Mais do que um simples assessor de imprensa, como eu fui, Jair Bolsonaro precisa urgentemente de um intérprete, para explicar o que quer dizer, e não ter que, a toda hora, se desmentir depois, dizendo que foi mal entendido.

Candidatos para exercer essa função não faltam, pois já fazem esse trabalho de forma voluntária para ele nas empresas onde atuam, a maioria delas alinhadas à nova ordem.

Aliados do novo presidente sugeriram até o nome do jornalista Alexandre Garcia, da TV Globo, que já exerceu a função de porta-voz no governo do general João Figueiredo, o último do ciclo dos militares no poder.

Tem tudo a ver, mas pouco importa quem seja o jornalista.

Um governo democrático precisa tanto de comunicação profissional como de especialistas nas áreas técnicas e de um articulador político que seja do ramo.

Até o êmulo Donald Trump, que governa pelo Twitter, tem seus porta-vozes oficiais na Casa Branca para fazer a mediação com os jornalistas.

Vem sendo uma relação conflituosa, mas é melhor do que deixar tudo por conta dos filhos nas redes sociais.

Logo os mentores da nova ordem vão descobrir que governar é bem diferente de disputar campanha eleitoral disparando fake-news para derrotar os adversários.

Faltam 40 dias para a posse, ainda dá tempo.

E vida que segue.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!