Procurador que cobra explicações do Facebook no caso MBL disse que nazistas eram “socialistas” e convidou Kataguiri para audiência em GO

Ailton Benedito brilha no Twitter

O Ministério Público Federal de Goiás está cobrando, em caráter de urgência, explicações do Facebook sobre a retirada de 196 páginas e 87 perfis de fake news ligados ao MBL.

Elas formam uma “rede de desinformação”, segundo a empresa de Mark Zuckerberg.

O procurador Ailton Benedito deu prazo de 48 horas para que a rede envie a relação de todas as contas banidas e a justificativa específica para a exclusão de cada uma.

“As normas constitucionais e legais que regulam a internet no Brasil atuam sempre com vistas à liberdade de expressão, ao direito de acesso de todos à informação”, diz ele.

Benedito é uma figura conhecida na internet.

Em agosto do ano passado, depois da manifestação fascista em Charlottesville, nos EUA, que terminou na morte de uma mulher atropelada, ele publicou no Twitter que o nazismo era de esquerda, um clássico.

“Partido Nacional SOCIALISTA dos Trabalhadores Alemães, conhecido como NAZISTA. Os próprios nazistas se declaravam SOCIALISTAS”, escreveu.

As maiúsculas são dele.

Virou piada.

A economista Laura Carvalho, conselheira de Guilherme Boulos e colunista da Folha, apontou que “tem alguma coisa errada com esses concursos [do MPF]”.

Em 2014, ele abriu inquérito para apurar o que acreditava ser um recrutamento ideológico de menores pela Venezuela para “Brasil”.

As crianças iriam receber “conhecimentos relativos à ‘revolução bolivariana’”, segundo Ailton.

Brasil, descobriu-se, era um bairro popular situado na cidade de Cumaná, a oeste de Caracas, que Benedito tomou pelo nosso país.

Eram oficinas de jornalismo e não instrução militar.

Mandou investigar banheiros ‘unissex’ da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás por falta de identificação entre masculino e feminino. 

“Estamos apurando para entender o que aconteceu porque as pessoas têm direito de saber onde estão entrando para não expor sua intimidade”, disse Benedito ao G1.

Em audiência na Câmara dos Deputados, defendeu o Escola Sem Partido. “Trata-se apenas do exercício da cidadania”, afirmou.

Fala bastante em “bandidolatria”.

Engajou-se numa campanha contra o “discurso esquerdopata” que visa “impor a pedofilia como nova cultura”.  

Organizou em Goiânia uma audiência chamada “Segurança Pública e Manifestações Sociais”.

Convidou Kim Kataguiri, do MBL, entre outros expoentes da direita.

“MBL e Vem pra Rua foram chamados porque organizaram grandes manifestações nos últimos anos”, falou à Piauí.

“Coincidentemente, elas não descambaram para a violência generalizada. Pretendo ouvi-los justamente para entender por quê.”

Então tá.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube