Procuradores discordam no Twitter sobre afastamento de Dallagnol

O procurador Deltan Dallagnol — Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

PUBLICADO NO MIGALHAS

Neste domingo, 4, uma discussão por meio do Twitter mostrou que procuradores da República estão divididos sobre o afastamento do coordenador da Lava Jato no MPF, Deltan Dallagnol.

Para Helio Telho, procurador no Estado de Goiás, “não há razão jurídica ou previsão legal que sustente o afastamento”. Ele continua dizendo que o que há são “interesses de quem cometeu crimes e foi atingido pela operação”, e que “está tirando proveito da deturpação e da descontextualização midiática de mensagens criminosamente obtidas”.

t

Mas, na mesma postagem, o colega Wilson Rocha, procurador do MPF no mesmo Estado, em resposta a Telho, provoca: “em qual grupo você me enquadraria: 1. Cometi crime; 2. Fui atingido pela operação; 3. Tiro proveito da “descontextualização midiática de mensagens criminosamente obtidas”?

t

Rocha já havia publicado em seu Twitter um comentário sobre o possível afastamento, apontando que Deltan “vale-se da popularidade amealhada para obter ganhos financeiros pessoais”.

t

Investigação indevida

Na última quinta-feira, 1º, vazamento revelava que Deltan, sabidamente incompetente para investigar membros do Supremo, teria buscado informações do presidente do STF, Dias Toffoli, além de incentivar os colegas a investigarem o ministro e sua esposa. A situação gerado comentários sobre algum tipo de punição ao membro do MPF, ou mesmo seu afastamento.

A possível investigação indevida gerou reações de membros do STF. Fux e Moraes solicitaram à PF uma cópia das mensagens hackeadas de celulares de autoridades.

Diante de notícias veiculadas apontando indícios de investigação ilícita contra ministros desta Corte, expeça-se ofício ao juízo da 10ª Vara Federal Criminal de Brasília solicitando cópia integral do inquérito e de todo o material apreendido“, determinou Moraes.

Também na quinta-feira, Moraes determinou a suspensão de procedimentos investigatórios instaurados na RF que atingiram ministros da Corte e outras autoridades, por haver “graves indícios de ilegalidade no direcionamento das apurações em andamento”.

O ministro Marco Aurélio também comentou o assunto:

“É inconcebível que um procurador da República de primeira instância busque investigar atividades desenvolvidas por ministro do Supremo. O problema do Brasil é que não se observa a lei.”

Na sexta-feira, dia 2, a PGR publicou nota de esclarecimento acerca de possíveis pressões que Raquel Dodge teria sofrido para afastar Deltan Dallagnol de seus trabalhos na Lava Jato. O texto esclarece que não houve qualquer pressão e que não convocou reunião com o propósito de afastar o procurador.7

Vazamentos

Migalhas reuniu, em site exclusivo, todas as informações e desdobramentos dos vazamentos envolvendo a operação Lava Jato. Acesse: vazamentoslavajato.com.br

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!